Perdendo o medo disso aqui

Como eu começo? Talvez esta seja a parte em que eu me apresento, e digo a que vim. Ou não..

A verdade é que eu estava super animada para começar a escrever sobre as mil coisas que andam rondando a minha cabeça (e finalmente poder dar alguma paz aos ouvidos dos meus amigos no trabalho) e no momento em que sentei aqui e digitei a primeira frase, um sono profundo se abateu sobre mim. Ok, admito, sintomas da boa e velha companheira de toda a vida, a procrastinação, mas o que importa é que enquanto descrevo isso, já vejo um parágrafo pronto. Nem foi tão difícil assim.

Não tenho um tema específico em mente, muito menos um público em que gostaria de focar. Sei apenas que preciso escrever e compartilhar. Me percebi muito "passiva" nos últimos anos, apenas lendo, ouvindo, recebendo e absorvendo informações dos assuntos mais diversos. Este ano a minha meta é ser ativa. É sair da zona de conforto, criar movimento, escrever, falar, colaborar, ensinar, facilitar, compartilhar.

O intuito deste texto, como já diz o título, é perder o medo. Para que eu alcance o meu objetivo este ano, é preciso que eu perca o medo de me expor, me posicionar, dizer o que penso, ser julgada, criticada, questionada, detestada, __________ (adicione aqui mais uma palavra, você que já passou por isso).

Nesses quase 30 anos de vida, já fui (sou) muitas coisas. Psicóloga, professora de inglês, recrutadora, tradutora, aromaterapeuta, doula, gerente de restaurante, coordenadora de eventos, vendedora de loja, babá, assistente de RH, consultora da Natura, aspirante a produtora de sabonetes artesanais - não necessariamente nessa ordem. Tenho muitas habilidades, conhecimentos e informações que acumulei ao longo da vida e sinto que se não compartilhá-las com outras pessoas, começarão a perder sentido pouco a pouco. Percebo que esse sentimento não é só meu, nem tampouco da famosa "geração Y". Achei uma frase de Sócrates, que há alguns milênios atrás já dizia: "o grande segredo para a plenitude é muito simples: compartilhar".

Aproveitando para dar um empurrãozinho no caminho dessa meta, estou propondo a mim mesma um desafio. Em homenagem aos meus 30 anos, vou escrever 30 textos até o meu aniversário de 2017. Fazendo as contas, dá mais ou menos dois a três textos por mês, o que é bastante tendo em vista meu atual número, que é zero.

Então é isso. Se você chegou até este texto e curtiu, clica nesse coraçãozinho aí embaixo ou deixa um comentário. Vou gostar de saber que estou escrevendo para alguém mais além de mim ;)

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Carina Albuquerque’s story.