O fim da segunda-feira

Somos condicionados em dividir nossa vida entre os 5 dias de trabalho e só 2 dias para realmente fazer o que gostamos. E o dia que simboliza o fim da diversão e o começo da obrigação/rotina/cansaço é a segunda-feira.

Depois de sair do meu trabalho formal, lembro que assim que acordei na segunda-feira seguinte senti uma alegria imensa por não precisar trabalhar e poder dormir até não ter hora para acordar. E esse sentimento seguiu por mais alguns dias até eu começar a me perder e a segunda-feira e o sábado terem o mesmo sentido. Depois da parte da felicidade pura, começou a parte do “Vou fazer o que com todo esse tempo livre na vida?”

Eu já tinha a intenção e a vontade de começar algo diferente. E descobri que pensar e trabalhar em um negócio próprio carrega um peso totalmente novo . Não existe o trabalho das 8h às 17h, não existe segunda-feira e nem o sábado. O que existe é um pensamento constante sobre o que fazer, como fazer, como melhorar, como vender.

É uma vida nova, com muitas sensações novas, ao mesmo tempo que existe uma liberdade grande porque ninguém te diz o que dizer, é estranho porque ninguém te diz o que fazer…

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.