Anna Toscano — Al buffet con la morte

3 poemas sobre a morte

Quante volte ho pranzato
 con la morte stesa sul tavolo
 faceva cadere la forchetta a mio padre
 rovesciava l’acqua a mia madre,
 non ci guardavamo
 sapendoli suoi segnali
 non la guardavamo
 ma il suo alito ci toccava.

*

Quantas vezes almocei
com a morte posta à mesa
fazia cair o garfo do meu pai
derrubava a água da minha mãe,
não nos olhávamos
conhecendo seus sinais
não a olhávamos
mas seu hálito nos tocava.


La tua vecchia pelle
 è polvere, polvere
 dentro un’urna
 sotto una lastra di marmo.
 La tua vecchia pelle
 dopo tanto tremare
 ferma, immobile.

*

Tua velha pele
é poeira, poeira
dentro de uma urna
sob uma lápide de mármore.
Tua velha pele
depois de tanto tremer
parada, imóvel.


Porto i miei ricordi
 al forno crematorio
 bruceranno un poco
 alla volta
 mi restituiranno
 ceneri di parole:
 il mio nuovo corpo.

*

Trago minhas lembranças
ao forno crematório
queimarão um pouco
em troca
me restituirão
cinzas de palavras:
meu novo corpo.