O maior problema enfrentado pelo empreendedor de primeira viagem e como superá-lo

Empreender no Brasil não é tarefa fácil e isso não é novidade para ninguém. Quem nunca ouviu um caso de algum conhecido que levou meses para tirar um CNPJ ou para fazer uma alteração contratual, né? A burocracia e o fraco modelo tributário que acometem a todo e qualquer empresário são só o começo. No caso do empreendedorismo de inovação a coisa é ainda mais complicada: a falta de recurso no começo, característica de quase toda startup, tende a fazer com que o início da trajetória seja bem bagunçado. O trabalho para arrumar a casa lá na frente pode ficar bem pesado.

Há quem diga que o maior problema que os empreendedores brasileiros enfrentam é a falta de incentivo e investimento. Eu discordo! E explico: o investimento é uma consequência natural da boa performance do negócio, de forma que, invariavelmente, ele chega, mesmo que mais tarde. Duvida? Pergunte ao CEO de uma startup de sucesso se ele teve problema para angariar investimento! Se olharmos à nossa volta perceberemos ainda que já existe uma vasta gama de programas de incentivo ou investimento, privados e governamentais. É claro que nosso panorama ainda é fraco se comparado aos Estados Unidos, por exemplo, mas já tem muita gente apostando nas startups, o que só tende a aumentar com o crescimento e desenvolvimento do ecossistema.

O maior problema, no meu entender, é até um pouco óbvio: falta conhecimento! É muito simples: ninguém nunca ensinou o empreendedor a empreender. Imagine que eu te peça para fazer qualquer coisa que você nunca fez antes. É claro que você vai ter dificuldade! Com uma pessoa que está começando a empreender não é diferente: ela precisa entender a própria ideia, validar uma série de hipóteses, desenhar um produto, montar uma equipe e por aí vai, entre diversas outras coisas novas na vida dela. Infelizmente o Brasil é um país extremamente carente de educação empreendedora. Nossas escolas e faculdades (salvo algumas raras exceções), focadas em formar funcionários e acadêmicos/pesquisadores, pouco contribuem para a formação de um empreendedor ou empreendedora. Os números, que nunca mentem, ajudam a entender melhor. Na UFMG, por exemplo, com 55 mil alunos e cerca de 600 patentes, nasceram até hoje algumas dezenas de startups. O americano MIT, que tem 10 mil alunos, por outro lado, gera 370 patentes e 110 startups POR ANO. São vários os abismos entre os ecossistemas brasileiros e americano, mas, ao meu ver, esse é, de longe, o maior. Quem assistiu a “A Rede Social” deve se lembrar da cena em que o reitor de Harvard, em conversa com os irmãos Winklevoss, fala que a universidade é conhecida pelo fato de que “seus alunos não procuram emprego, mas criam o próprio emprego”. Quem dera!

Empreender, todavia, é resolver problema. Se o problema é a falta educação empreendedora, a solução é aprender em outras fontes. Felizmente dá para aprender muito nelas. Basta querer! O segredo, na minha opinião, está em 3 atitudes:

Ser autodidata

Essa é autoexplicativa, né? Existe muito conteúdo de qualidade (e gratuito!) por aí e, quanto mais você consome, mais você aprende. Não sabe como vai montar uma estratégia de marketing ou como vai recrutar para a sua startup? Dá uma passada nos melhores blogs ou canais do Youtube que certamente você vai aprender muito. Vou deixar no final do texto os links para alguns dos conteúdos que mais me ajudaram até hoje. E aqui não tem limite: eu já li e assisti muito vídeo e queria ter começado mais cedo, assim como queria ter lido e assistido mais. Isso sem falar nos programas de aceleração ou pré-aceleração que também ensinam demais!

Ser curioso

Quanto mais você pergunta, mais você aprende. Pode partir desse princípio sem medo! Uma das coisas mais legais no ecossistema de startups é a cultura de ajuda ao próximo, ou Give First/Give Back. Muitos empreendedores de sucesso já trilharam o caminho que você pretende trilhar e estão dispostos a contar a sua história, compartilhar erros e acertos e tentar solucionar algumas dúvidas. Provavelmente conhecer a história do caminho trilhado pelo outro vai fazer com que você desvie de muitas pedras que estarão no seu. A melhor maneira de tirar dúvida é justamente não ter medo ou vergonha de perguntar! Acha que algum empreendedor pode te ajudar? Se apresenta e bate um papo! Provavelmente ele vai estar disposto a trocar uma ideia e dar uma força no que puder.

Ajudar também!

A manutenção da cultura de ajuda ao próximo é muito importante para que mais e mais pessoas estejam aprendendo mais e errando menos, e isso é papel de todo mundo que se envolve! Se você aprendeu algo novo certamente pode ajudar muitas pessoas compartilhando o que sabe.

Alguns conteúdos interessantes que me ajudaram muito:

How To Start a Startup: curso de 20 aulas feito pela Stanford em parceria com a Y Combinator, 100% disponível no Youtube.

Como contratar pessoas em uma startup: texto do CEO da Hotmart, João Pedro Resende, contando como funciona o recrutamento em sua empresa, desde quando tudo começou.

Marketing de Conteúdo - Blog da Rock Content, maior empresa de marketing de conteúdo do Brasil: Inúmeras dicas valiosíssimas de marketing digital.

Curso de Inbound da Hubspot: O beabá do Inbound Marketing, pela maior do mundo. Com direito a certificado!

O que um CEO faz em uma startup: texto do CEO da Rock Content, Edmar Ferreira, sobre as tarefas de quem ocupa esse fatídico cargo.

Espero ter ajudado! Gostou? Compartilha aí!

Até a próxima, amigos!

Abraço!