Sindicato de Ladrões

Delação de mesa de bar, regada a cachaça de primeira, ouvida de um político da base governista

“Todo mundo sabe que sem propina não existe, não rola nada, nem obra nem nada. É desse jeito em qualquer lugar, prefeitura, ministerio... Se quiser governar é assim.

Até o PT chegar ao poder, tudo ia bem, profissional, tinha espaço pra todo mundo, pacto de não agressão, mesmo entre gente inimiga. Aí os caras assumem, se deparam com o tamanho do pote e babam em cima.

Esquecem rapidinho todo aquele discurso de santo, de acabar com a corrupção… E resolvem vir com tudo.

Um bando de novatos se achando, querendo ditar regra, tomar conta de tudo, de todo mundo. Acharam que era um sindicato, com uma central e um monte de seguidores.

Mexeram sim é num ninho de vespa, botando quem antes era chefe como pedinte. É claro que os barões ficaram putos, mas guentaram enquanto tinha dinheiro.

Aí a coisa baixou. Pra piorar, vieram as investigações, mais riscos, a coisa começando a bater na porta. Numa situacao dessa não dava pra brincar, deixar na mão de amador, sem a governança de antes. Então no teve jeito. Derruba-se e assume de volta.

E hoje só o PT caiu [risos]. O resto continua aí, mandando vê.”

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.