Photo by Brooke Cagle on Unsplash

A paz que falta lá fora pode estar faltando aqui dentro

É engraçado como vemos conflitos no trabalho, em nações, mas não reparamos que eles estão aqui dentro, em nós.

Amigos, eu já vi discussão por cada coisa…

É um querendo agradar o outro, desagradar um terceiro, mas ninguém quase pensa no que realmente é melhor para aquela situação.

Só pensam como vão sair na foto, ou não sair na foto definitivamente.

Eu acabei ontem de ler um livro ótimo chamado "O apelo do Dalai Lama ao Mundo" (está de graça da Amazon para o Kindle, até a publicação desse artigo). É basicamente uma entrevista com o Dalai Lama, e das boas.

Dalai Lama é, obviamente, de uma sabedoria ímpar, tem palavras incríveis e, apesar dos errinhos feios de tradução do texto, é possível imaginar ele respondendo e rindo caso você já o tenha visto em vídeo.

Uma coisa prendeu minha atenção no livro, principalmente quando fiz o link com a questão tão recorrente em nosso dia-a-dia sobre gestão de conflitos: Sua Santidade comenta em resposta à perguntas relacionadas a guerra e paz que, para cessar a guerra lá fora primeiro precisamos cessar a guerra dentro de nós mesmos.

E nós não podemos ser responsáveis e nem controlar o que o outro faz, como age ou reage. Mas podemos controlar sim como nós fazemos isso.

Se o outro quer guerra comigo e eu estou centrado e em paz, cuidando da minha vida e dos meus, eu não aceito a guerra. É o famoso "quando 1 não quer, 2 não brigam". Esse bordão aliás, poderia ter nascido do Dalai Lama sem dúvidas.

Seja em nações ou seja dentro do nosso espaço de trabalho, em nossos projetos ou até em pequenas reuniões do dia-a-dia (familiares ou profissionais) a escolha é nossa em aceitar ou não a guerra.

As fontes que são as soluções

Dentro das empresas eu vejo, por exemplo, que muito conflito nasce da simples falta de comunicação. Conversar, apenas conversar já é meio caminho andado para não perder informações e discutir.

Nasce da falta de foco. Nasce quando ao invés de se ter um foco, um objetivo comum que beneficiaria a todos, focamos apenas no que vai deixar o meu ego mais bonito na foto.

Nasce também da falta de tolerância e compaixão, ou seja, de estar aberto a entender o lado do outro. Por mais que o outro esteja errado, compreender, dar a chance do outro expor seu ponto de vista te dá a chance de mostrar melhor o seu ponto de vista.

Se o ponto de vista for bem comunicado, focado num objetivo e tolerante, cadê o conflito?

Falar sobre conflitos e gestão de conflitos é sempre um papo delicado, profundo, até que simples diante da sua complexidade.

Fato é que, a paz nasce aqui dentro e nos mantermos centrados na paz e no presente nos faz sermos melhores.

__
Obrigado por ler! Gostou da leitura? Clique no “coraçãozinho” aqui abaixo e compartilhe o texto com quem gostaria de ler tanto quanto você :)

Eu sou um pesquisador sobre o que nos faz sermos melhores. Clique aqui para conhecer meu trabalho.

Like what you read? Give Caio Blumer a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.