By Bethany Legg via Unsplash

Quando nos limitamos por causa dos outros

Se você parar agora e analizar friamente, sem se justificar, existe algum comportamento que você mantém "escondido" com medo do julgamento do mundo?

Por mais simples que possa parecer, uma das coisas mais interessantes que fiz com o surgimento do Spotify foi mostrar para as pessoas o que passo o dia ouvindo.

Partindo do fato de que passo o dia todo (do acordar ao dormir) ouvindo música, ela conta sobre meu humor, sobre o que estou possivelmente fazendo, enfim… a música conta muito sobre a gente.

A imagem que queremos passar faz sentido com quem somos? Se não faz…

… se não faz, nós sofremos.

Congruência é parte fundamental da produtividade e evolução sustentável do ser humano. Se não há congruência entre o que você fala e o que você faz, dificilmente você terá sucesso no que está fazendo (namoro, casamento, carreira, empreendimento…).

Pra mim, música sempre foi uma questão de identidade. Nem sempre eu fui tão eclético sobre a música quanto hoje.

Quando me perguntam "que tipo de música você curte?", eu respondo: "música do tipo que toca (e não que faz barulho)".

Mas até chegar aí foi uma caminhada. Quando era moleque era punk rock e nada mais. Depois veio a fase rock'n'roll, depois hiphop, blues, jazz, R&B, indie…

Hoje, se a música me faz bem, eu pouco ligo pro estilo e pra quem está vendo isso no Spotify, ouvindo sair da janela do carro no semáforo ou me vendo cantando sozinho correndo de fones.

Veja bem, eu sou fãzaço do John Mayer, com certeza é o músico que mais ouvi até agora na vida e, para 90% das pessoas ele é "um bonitão que faz música pop 'arranca-calcinha' que as mina curte". Eu ligo? Resposta abaixo:

Eu (desbarbado) e John (fortinho) em Buenos Aires - Só esperando Outubro pra ver se rola esse encontro de novo

Deixa eu te contar um segredo: ninguém tá nem aí pro que você faz

Tirando meia dúzia de desocupados que só querem te sacanear porque devem estar entediados de suas próprias vidas, ninguém se importa com que tipo de música você ouve.

As pessoas estão preocupadas e ocupadas demais com suas próprias preocupações.

Se a "aprovação social" é algo que está te segurando, deixo contigo 3 lembretes que tento manter em mente sempre:

1- O mundo é o que é diante da visão (verdades, crenças, experiências, valores) de cada um. Cada um vê "o melhor" da sua forma.

2- Felicidade = sua expectativa sobre a vida e a realidade que ela entrega (congruência entre a verdade da vida e a sua).

3- Respeito é tudo. Respeito de você para com quem você realmente é e respeito de você para com a visão de mundo do outro.

Aprovação social pode ser um valor importante para você, mas não necessariamente precisa te ancorar, muito pelo contrário, se não houver congruência entre quem você é de verdade e o que você demonstra, não haverá preenchimento desse valor de qualquer forma.

Uma imagem que é uma inverdade não é saudável e não dura muito tempo.

Três coisas não podem ser escondidas por muito tempo: o sol, a lua e a verdade." - Buda.

Não seja você a pessoa que vai se limitar, afinal, ninguém além de você tem esse poder.

Ser quem somos, sem se limitar pela visão de mundo do outro, nos faz sermos melhores.

__
Obrigado por ler! Se você gostou da leitura, clique no “coraçãozinho” aqui abaixo e compartilhe o texto com quem gostaria dessa leitura tanto quanto você :)

Eu sou um pesquisador sobre o que nos faz sermos melhores. Clique aqui para saber mais sobre meu trabalho.