Transitoriedade

Depois de tantos anos, o gosto pela escrita retorna. As palavras têm sido parceiras nesse momento ímpar, têm me conduzido a um processo profundo de autoconhecimento. O diálogo com diferentes pessoas, a compreensão de cada um sobre a vida, suas nuances. As verdades absolutas, as incertezas vivas (como eu amo as incertezas).

Tenho me questionado mais sobre os padrões, me incomodado mais com quem luta pela manutenção desses padrões, em detrimento do que é genuíno em cada um de nós!

‘Ninguém é, nós estamos’, é passageiro, é transitório.

Viver a transitoriedade é se permitir viver a dialética da vida! E não há nada mais gratificante do que se descobrir/se conhecer todos os dias!

Gratidão a vida!

*Foto de capa: compartilhada do site www.profluizeduardo.com.br/transitoriedade-homem/