‘Patrick Melrose’: o último gole do patriarca

Caio Delcolli
Jun 26, 2018 · 5 min read
Image for post
Image for post
Benedict Cumberbatch encarna dor tortuosa em ‘Patrick Melrose’ (Divulgação/Showtime)

Tem uma lagartixa na parede e é nela em que está concentrado o olhar de Patrick Melrose. De alguma maneira, ele consegue escapar do próprio corpo para ocupar o do bicho, ou pelo menos imagina fazer isso. Tentar não estar presente é o que está ao seu alcance toda vez que é estuprado pelo próprio pai.

No entanto, o menino é traumatizado independente disso. As feridas lhe são infligidas profundamente, não cicatrizam e infeccionam. E a febre é excruciante.

O protagonista, interpretado na juventude e na vida adulta por Benedict Cumberbatch, torna-se dependente químico. Não há agulha que ele deixe de espetar no braço; não há comprimido que deixe de tomar; não há gole que deixe sobrar no copo; não há dia em que atirar-se da janela mais alta é uma possibilidade que não lhe passe pela cabeça. A lagartixa parece sempre estar lá na parede.

Baseada nos romances autobiográficos de Edward St. Aubyn (lançados no Brasil pela Companhia das Letras), escritor indicado ao Man Booker Prize, a minissérie do Showtime aborda em cinco episódios — cada um adapta um dos cinco livros — o personagem-título em fases distintas de sua vida e como ele lida com o trauma e a depressão que vêm em seguida.

Durante a infância, Patrick (nesta fase vivido por Sebastian Maltz), um playboy inglês, está sob o poder de seu pai David (Hugo Weaving), sujeito esnobe e truculento que sabe projetar sua sombra sobre outras pessoas como poucos sabem. Eleanor (Jennifer Jason Leigh) é a mãe, uma americana ricaça que sustenta a família, passa o dia enchendo a cara e consumindo pílulas. O filho é abusado debaixo do nariz dela, mas Eleanor não percebe e continua na maratona química diária.

Não tem o que fazer. É impossível voltar no tempo para desfazer o estrago; os pais de Patrick também precisam de ajuda. As fraturas estão expostas, os relacionamentos estão destruídos e pelo que o filho demonstra, ele também está a caminho da destruição.

A dor do protagonista é tortuosa e não cessa. No primeiro episódio, ambientado nos anos 1980, quando Patrick tem 20 e poucos anos, ele vai a Nova York buscar o cadáver do pai recém-morto. Ao encontrar David no caixão, Patrick — já bastante drogado — descobre o rosto do pai como um embrulho de presente e diz para o funcionário do serviço funerário: “É exatamente o que eu queria, não precisava!”. Além das drogas, este é outro método que Patrick tem para lidar com o trauma: humor negro.

Após deixar o local com as cinzas do pai dentro de uma caixa, Patrick se isola no quarto do luxuoso hotel em que está hospedado e manda ver na bebedeira e na heroína. Ele perde o controle — quase destrói o quarto, não consegue abrir a janela para se jogar e por pouco não dá um jeito de mergulhar a TV ligada na banheira transbordante.

Cumberbatch, que também é um dos produtores executivos de Patrick Melrose, é magnífico na tarefa de encarnar os escombros emocionais e físicos do personagem. O desempenho do inglês chega a ser espantoso — mais um que entra para sua admirável coleção, junto de Sherlock (BBC), O Jogo da Imitação (2014) e Além da Escuridão — Star Trek (2013) — e vai bem acompanhado de consistentes atuações dos coadjuvantes Leigh, Jessica Raine (que vive Julia, amiga de longa data de Patrick) e Pip Torrens (Nicholas Pratt, um insuportável reacionário ligado à família Melrose).

Image for post
Image for post
Performance de Cumberbatch é desoladora e hilária — mais um para a já extensa galeria de grandes momentos do ator (Divulgação/Showtime)

Todos os episódios de Patrick Melrose são dirigidos pelo alemão Edward Berger de The Terror (AMC), outra elogiada série que estreou neste ano — e pelo roteirista e escritor David Nicholls, responsável pelo texto do ótimo Longe Deste Insensato Mundo (2015) e pelo aclamado romance Nós (2014), finalista do Man Booker Prize.

Um time de pedigree realizou Patrick Melrose, o que torna particularmente frustrante perceber o quão mal aproveitado foi o personagem de Hugo Weaving. O patriarca é a personificação de uma elite decadente — neste caso, a britânica, que além do poderio econômico tem laços com a família real —, que está embriagada de impunidade, privilégios e abstração da desigualdade social ao seu redor.

O que o fez tornar-se o predador do próprio filho? Por que ele é um sádico que coloca Patrick em um caminho do qual talvez ele não saia vivo? Também há outro aspecto no personagem que, se desenvolvido, poderia tornar o comentário social da minissérie ainda mais atual e ressonante: o mundo de hoje já não tolera homens como David. Estamos, afinal, na tal da “era Trump”, pós-declínio de Harvey Weinstein, pós-The Handmaid’s Tale (Hulu) como a série que materializa com eficiência nossas ansiedades políticas mais agudas.

St. Aubyn, à sua maneira, viveu as consequências dessa tradição. Ele consumiu tanta heroína para anestesiar o trauma que chegou ao ponto de se injetar a cada 20 minutos e conseguir se graduar em inglês em Oxford só por ter sensibilizado a universidade com sua situação lastimável.

Hoje, St. Aubyn está sóbrio. Enquanto isso, homens como David Melrose resistem aqui e ali e ainda marcam lugar na paisagem social. No entanto, como Patrick repete no decorrer da série, o que seu pai lhe fez é o tipo de coisa que nenhuma pessoa deve fazer com outra. Aquela lagartixa, para início de conversa, nem devia estar na parede.

Os episódios de Patrick Melrose têm uma hora cada e foram exibidos nos Estados Unidos no decorrer de maio e junho pelo Showtime. Não há previsão de estreia no Brasil.

(Dica: caso queira conhecer mais a respeito de Edward St. Aubyn, um excelente perfil dele feito por Ian Parker e publicado pela New Yorker em 2014 pode te ajudar nisso. Só o humor corrosivo e esnobe de St. Aubyn já vale a leitura.)

Welcome to a place where words matter. On Medium, smart voices and original ideas take center stage - with no ads in sight. Watch
Follow all the topics you care about, and we’ll deliver the best stories for you to your homepage and inbox. Explore
Get unlimited access to the best stories on Medium — and support writers while you’re at it. Just $5/month. Upgrade

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store