Ele, o trânsito, me aborrece pouco, muito pouco, na verdade, quase nada. Fica realmente difícil ser percorrido pelo estresse quando se tem à disposição essa sequência de álbuns. Você pode vê-los. Nada está ordenado, meu bem, veja essa algazarra nas pastas do pen-drive, sim, você também sabe como funciona esse aparelho. Pode passar, vá passando, opa, quer sentir Gal? Ponha, vá, ponha Gal e só aí trocaremos uns aconchegos, eu vou derrapando a minha mão direita pelo teu pescoço, escorregarei pelos teus cabelos, hum, enquanto seus dedos estarão roçando a minha bochecha e meus pelos imperfeitos. Não é prudente confiar em um homem incapaz de manejar a própria barba, eu te alertei há muito tempo, lembra? Mais ou menos na mesma época em que os gostos comuns viravam pretextos para justificar nossa aproximação. Havia o interesse, você há de recordar, e também de concordar que ninguém sai com alguém que pouco conhece. Pega mal apostar as fichas sem conhecer as regras. Mas foi tão bom a gente ter burlado, de certa forma, o sistema, reproduziu a cena? Então, aconchego, o sinal se fechará quando estivermos nos aproximando dele, mergulharei rapidamente pelos teus olhos e emergirei na tua foz, essa língua molhada pronta para me fazer naufragar.

Olha, você pode ver agora aquele carro ali que acelera e reduz, acelera e reduz? As pessoas andam preocupadas. As coisas mudaram com os pardais, mudaram com a necessidade de limitar seus ímpetos. Já se provou que a diferença no resultado é mínima, a gente chega com no máximo cinco minutos de atraso. Não seremos ingênuos, carinho, quem anda de carro é patrão, e chefes não precisam se preocupar com esse afrouxamento, ninguém vai tomar esporro por isso. Na parte mais agitada tem Raul, meu bem, e esse álbum Krig-ha é tão bom, você já o sabe, foi o primeiro da carreira, e Cachorro Urubu me soa muito bem, eu sou capaz de sentir a força daquela guitarra em Al Capone. Não se olvide da coleção do porta-luvas, ah, esses inúmeros CD’s. Todos eles originais. Ajeitei um dia desses, estava um amontoado em desordem absoluta. Resolvi pilhá-los, agora estão bem posicionados, eu posso ver daqui. Móveis é legal, você me falou outra vez, e a gente também pode ouvir Banda do Mar, se você achar melhor. Faz tempo é uma faixa bem agradável, e também é bem verdade que gostei mais em outros tempos. Agora estamos no cinema, e minha cabeça está bem longe. O filme aparece na telinha e só consigo pensar no que poderemos comer quando acabar tudo aqui, tem um sanduiche muito bom aqui perto, um molho agridoce dá a diferença, o milk-shake também é legal, eu não gostaria de sushi, ah, não, isso de comida japonesa é de casal, nena, e é bem provável que a gente acabe não comendo nada, porque é a primeira vez que saímos, e meus planos todos costumam ruir por aí.

AS�^� �

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Caio Lorena’s story.