Algumas notas sobre a “cultura da rachação”
Henrique Guilera
26437

Vou comentar o que postei na minha página do Facebook. Bom texto. Discordo sobre a vida mais inteligente entre a direita. Não sei onde você anda, mas pelo menos aqui no Brasil, a intelligentsia de direita é sofrível e, a meu ver, as melhores cabeças ainda vêm de setores da esquerda, como as que produzem um artigo desses. Mas eu vou além pra polemizar ainda mais. Eu considero que muitos desses grupos de esquerda universitária não são nem de esquerda. Explico: Paulo Freire já dizia que tudo é ideologia, a questão é se a sua é inclusiva ou excludente, certo? Pois um pensamento de esquerda não pode ser excludente. E eu nem preciso falar de feministas que excluem homens, ou negros que excluem brancos da discussão. Basta citar feministas que excluem transsexuais da pauta, ou negros que excluem indígenas, etc. Se a sua base ideológica é excludente, não, você não é uma pessoa de esquerda.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.