Troquei por selfies.

Eu preciso te dizer que eu leio nossas conversas antigas.
Percebi que hoje eu responderia diferente aquela pergunta que você me fez tempos atrás.
Tanta coisa aconteceu desde que seu nome sumiu do topo da lista do meu Whatsapp que precisaríamos nos encontrar para eu te contar tudo pessoalmente.
Pessoalmente é raridade nos dias de hoje, eu sei.
Quase uma prova de amor.
Nunca tive coragem de apagar nossa conversa.
As vezes eu revivia conversas passadas.
Varias vezes parei no “Apagar Conversa” em vermelho.
Tinha a sensação que ia apagar uma historia.
A nossa historia.
Que doideira, deve ser coisa da nossa geração esse sentimento.
Mas eu acho que eu ia gostar de te ver sem ser pelas fotos lindas (e filtradas) que você põe no seu perfil e te dizer que eu to (finalmente) bem (pra caralho) sem você.
Não diria em tom de vitória.
Mas em tom sincero.
Outro dia eu tava justamente pensando em você quando seu nome apareceu aqui na minha tela. Eu gelei. E lembrei daquele dia.
A gente tava sentado no chão bebendo alguma bebida barata com gelo derretido em um copo de plástico branco.
Era uma noite chuvosa.
Enquanto a festa rolava no apartamento a gente se trancou naquele quarto que até hoje não sei de quem era, mas naquele momento era nosso.
Ficamos lá por horas conversando.
Fazendo o que a gente mais gosta. Falar um do outro.
Raios iluminavam o seu sorriso indeciso como flashes em alguns momentos da nossa conversa naquele escuro que impedia você de ver as minhas lagrimas que dessa vez não tive o controle de não deixa-las despencar dos olhos.
Eu adorava ficar a sós contigo.
É, aquele dia você apelou.
Ou eu tava bêbado?
Te disse coisas que só dizia pra mim.
Ainda bem que você é fraca pra bebida e não lembrou no dia seguinte. Ou fingiu.
Aquele dia você me viu chorar pela primeira vez e ainda disse que eu ficava bonito daquele jeito.
Lembrei do dia que você olhou pra mim e disse que era feliz em me ter.
É, você chegou aqui quando eu já estava saindo.
Eu costumava me emocionar quando você dizia “eu te amo”.
Por vezes eu me concentrava para não denunciar minha emoção pelos olhos, mas não conseguia.
Você sabe como é, quando vem de dentro a gente não aguenta.
Uma vez um professor de biologia me contou que isso é químico, sei lá.
Nunca fui bem em química e sempre colava nas provas para passar de ano, pensava que nunca ia precisar saber aquilo na minha vida.
Pois é.
As vezes sinto saudades de sentir saudades suas.
Passei a ir sozinho em festas, conhecer pessoas sem aplicativos e abrir a possibilidade das coisas que eu sonho acontecerem.
Afinal, qual a probabilidade de algo acontecer sem que haja possibilidades desse algo acontecer? 
Sei lá, nunca fui bem em matemática também.
Ah! e apaguei nossa conversa, eu consegui.
Livrou espaço.
Troquei por selfies.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.