2015 chega ao fim…

Sem flores dessa vez.

Um ano intenso, emocionante, radical, e apesar de tudo, um ano lindo.
Uma vivência repleta de riscos, medos e sonhos.
Um ano de amor, ódio, perdão e esperança.
Um ano de amadurecimento, aprendizado e sobretudo, de arrependimentos.
2015 foi um pontinho amarelo numa folha azul. Um caso isolado. Uma experiência única.
Mas uma experiência que transformou minha vida para sempre.

São Paulo continuará sendo São Paulo. Mas eu já não sou mais o mesmo.
Volto como soldado de uma guerra. Ferido, mas ainda mais corajoso.
Mais forte. Mais robusto e mais ousado.

Esse não foi um ano de flores. Então não tenho sequer uma flor para
dar a vocês, como dei ano passado e ano retrasado.

Mas meu desejo a você que lê isso, é que antes de você sair desejando
amor aos outros nesse final de ano, é que você se olhe no espelho e diga 
“eu te amo”.

Foda-se o que fizeram com você, ou falaram de você.

Pois você é MUITO especial. 
E o universo o saúda por isso, todos os dias em que você abre os olhos pela manhã.

Que 2016 venha, e com ele, o melhor de você.

Feliz natal e um ótimo 2016 a todos.

Like what you read? Give Caio Stolf a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.