A utilidade de hobbies úteis

Por Caio Swan de Freitas

De dicas “milagrosas” a internet tá cheia. Não vou dar dica nenhuma.

Estou aqui pra contar o que aconteceu comigo. Como penso e aplico nos meus textos, a melhor inspiração é o exemplo.

Atividades agradáveis realizadas pelo prazer de realizar, uma boa definição para hobbies. Não seria ótimo ter alguns que fossem úteis? Por exemplo, correr além de ser prazeroso (para alguns), é útil para a saúde e condicionamento físico.

Imagine transformar vários hobbies em atividades que você considera úteis para sua vida. Ao invés de ficar na frente da TV vendo futebol, muito melhor jogar nesse mesmo período de tempo, não?

Então, parei pra pensar nisso e comecei a mudar rotinas. Ainda não consegui correr com frequência, mas as outras a seguir tem dado certo.


No meu tempo pré universidade a programação parecia algo completamente extraterrestre. Meu pouco conhecimento de fórmulas no Excel me parecia o máximo do avanço que eu conseguiria na área.

Logo no primeiro semestre de engenharia isso mudou. Apesar de todos os esforços de um péssimo professor, eu passei a gostar do assunto. Tanto que, mesmo após as aulas, eu continuei programando.

Não pensava em me tornar um mestre naquilo, virou um hobby. Cheguei até a aprender superficialmente a fazer aplicativos em Android. O ápice foi fazer um app de sorteio de amigo oculto (ou como quer que isso se chame na sua região do Brasil) infalível, ninguém se tiraria e teria um único ciclo.

Na época foi uma decisão inconsciente, mas a programação foi um hobby útil. Eu acredito hoje que essa será uma habilidade essencial para todos os engenheiros no futuro e quero continuar aplicando, tanto que meus dois estágios até hoje envolveram programação.

A existência de hobbies úteis passou mesmo a ser clara pra mim quando encontrei o Duolingo, um app gratuito para aprendizado línguas.

Tem os desafios de fazer mais pontos que os amigos, manter uma sequência de dias fazendo ininterruptamente e, no meio tempo, ir aprendendo gradativamente uma nova língua. Já virou automático na minha rotina todo dia fazer um exercício de italiano e um de alemão.

Além da utilidade óbvia de uma nova língua para se comunicar, isso é útil pra memória, agilidade de pensamento e o que mais falarem nos muitos estudos sobre o assunto, já deu pra entender.

Depois disso, minha primeira decisão consciente de procurar e depois começar um novo hobby útil foi recentemente comprar um kit de Arduíno.

Aprender a mexer com robôs, como isso pode não soar legal haha. Tenho zero experiência em eletrônica e também não me imagino virando um expert, mas acender automaticamente uns LEDs com sensores de iluminação tem sido um bom hobby.

Ao mesmo tempo estou aprendendo uma nova linguagem de programação e abrindo mais um campo de conhecimentos e estudos. Vai que volto a trabalhar com barcos autônomos como na Inglaterra, posso passar a entender mais a parte de automação além de só o barco.


Nada disso do que contei foram obrigações, todos hobbies que me agregaram muito. Às vezes é óbvio, como meu hobby de velejar impactar diretamente no meu conhecimento como aluno de engenharia naval. Outras vezes nem tanto, como meu hobby de tocar violão ter me ajudado a ter melhor controle de voz em apresentações em público.

Pra finalizar, pense em hobbies que você teve ao longo da vida, duvido que nenhum tenha sido útil. Agora que você sabe dos benefícios deles, os crie e multiplique na sua vida.

Curtiu o texto? Dá uma curtida nele apertando esse coração ❤ aí embaixo. Isso ajuda bastante a divulgar o texto nessa plataforma. Agradecido viu =)