Are friends electric?*

O fundador do Orkut recentemente anunciou que criará uma nova rede social, chamada Hello, visando intensificar as relações atuais, muito superficiais em sua opinião. Para ele, ninguém faz amigos usando Internet. Discordo TANTO, MAS tanto disso que tive que escrever sobre.

Durante minha adolescência fui o que se pode chamar de esquisita: tive a fase gótica, a fase poeta, a fase poeta-gótica. Quando tinha 12 anos, percebi que a maioria das minhas amigas de infância não fazia mais tanto sentido para a pessoa que eu estava me tornando. Não que fossem pessoas desagradáveis, ainda são muito queridas até hoje, mas existiam muitas lacunas de pessoas e vivências para serem preenchidas em mim.

Então tentei ampliar meu círculo. Só havia um problema: eu saía pouquíssimo e não tinha outras atividades fora da escola (todos os cursos e aulas que eu tinha à tarde eram lá mesmo); assim, resolvi entrar no chat de lá, um dos poucos confiáveis e conheci minha melhor amiga até hoje, Barbara maravilhosa (ontem foi aniversário dela, bjs). O resto da minha adolescência não foi diferente: eu era muito nerd, reclusa e até mesmo meio tímida para me aproximar de gente nova.

Nesse limiar infância-adolescência, criei um blog e com ele vieram amizades virtuais (oi Nanna, oi Marcos, oi Ricardo, oi Babi de São Paulo!) que até hoje tenho contato e acompanho, pessoas lindas que transformaram minha visão de mundo e percepção sobre relacionamentos. Inclusive, nos idos de 2004 conheci a escrita de um cara por blog no finado-que-deus-o-tenha Blogger Brasil, virei super fã e não é que a internet nos aproximou? Abraços, André.

Em 2007, mudei para a mesma escola que Barbara, mas não estávamos na mesma classe e nos víamos pouquíssimo. Eu não tinha amizades profundas de convívio diário, o que era muito importante para mim na época de escola, e estava deprimida. Se não fossem Marina, Ricardo e Fernanda, todos online ou por cartas, nem sei.

Em 2009, em outro momento de rupturas significativas na minha vida, fiz conta no Twitter. Foi o que bastou para descobrir na minha e em outras cidades pessoas maravilhosas. Cynthia, Nay, Natasha, Thêmis, Marias, Malú todo etc; é tanta miga maravilhosa de Teresina mesmo que sem ajudinha virtual talvez eu nunca tivesse conhecido ❤

Até me gosto por literatura foi bem recepcionado, não é, Nina e Lilian?

Setembro do ano passado me deu um dos maiores presentes que a vida online foi capaz de me apresentar: me mostrou o idílio da Pólen, espaço onde todo mundo conversa, se ajuda e tenta fazer os outros se sentirem melhor. Sou tão grata, babies.

Então, Orkut, Acho que tem algo errado no jeito como você tem encarado as redes sociais. Mau uso, aparências falsas e hipocrisias sempre vão existir.

Só que tem amor (e muito), também.

p.s.: *o título veio dessa música:

https://www.youtube.com/watch?v=-0WNbm1jz6A

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.