As horas e a internet

texto publicado em 16/12/2015 no site hashtagcomunicacao.com

O mobile terá mais um ano próspero. Em 2016, a tendência é de que os acessos finalmente superem o desktop. Atualmente, o Brasil possui mais de 50 milhões de usuários de smartphone e, em 2017, a previsão é de que este número supere 70 milhões de pessoas. A tela na mão facilita nossa vida. Com um smartphone conectado à internet podemos nos comunicar com amigos, familiares, colegas de trabalho e uma infinidade de outras possibilidades disponíveis no nosso melhor horário.

Quando eu era criança, na década de 90, tínhamos telefone em casa. Ele era nosso meio de comunicação mais fácil e rápido para falar com amigos, colegas e familiares. Lembro que havia uma política de respeito de horários. Eu sabia que, depois das 21h, era indelicado importunar alguém. Quando o telefone tocava após este horário poderia ser doença, morte ou qualquer coisa grave. Dificilmente meus pais eram procurados por seus colegas de trabalho a noite ou aos finais de semana pelo telefone. Entrar em contato com pessoas no trabalho, se não tivesse alguma ligação com aquilo, só em casos de emergência.

A internet rompeu a barreira do tempo e da distância. Nos tornamos pessoas abertas a comunicação a qualquer hora do dia. Estamos trabalhando e conversando com nossos amigos em algum dos nossos chats, no grupo da família trocam receitas ou marcam o almoço do final de semana. E a noite, não importa a hora, falamos com nossos colegas de trabalho. Às vezes recebo mensagem no WhatSapp ou e-mail de madrugada. A paciente de uma amiga mandou uma Whats depois das 23h para marcar uma consulta, porque ela não teve tempo antes. Será que isto está certo?

Nosso tempo está sendo consumido pelos canais que temos aberto. Não conseguimos mais centralizar a comunicação, nem segmentar cada grupo numa mídia especifica. Por exemplo: o Facebook é um lugar para ter amigos, o Linkedin e e-mail profissional são exclusivos para pessoas relacionadas ao nosso trabalho e o WhatSapp é um local para trocar mensagens rápidas sem custo, isso sem falar no Twitter, Instagram, Snapchat e outros milhares de meios sociais. Já ouviram falar da garota que enviou nudes para chefe no Snapchat por engano? É o que pode acontecer quando misturamos tudo ao mesmo tempo.

Como você tem administrado seu tempo nesses inúmeros canais? Através do meu trabalho estou conectada a profissionais de diversas áreas e idades e me surpreendo ao ver diferentes perfis cometerem o mesmo padrão, informações importantes são espalhadas pelos canais de comunicação. Respostas de e-mails são enviadas em textões no WhatSapp ou respondidas por mensagens no Facebook. E-mails profissionais são recebidos fora do horário comercial. Ainda temos no nosso inconsciente que mensagens depois de certo horário são urgentes, mas poucas são. A interrupção constante de trabalho no lazer e lazer no trabalho tem impedido nosso foco. Nosso desempenho está prejudicado, pois somos constantemente interrompidos e não desconectar do trabalho é extremamente prejudicial para a criatividade. O nosso melhor horário, o horário que temos disponível para resolver algo com outra pessoa do nosso convívio, nem sempre é um bom horário para outro. A disponibilidade de comunicar que a internet nos trouxe fez com deixássemos de respeitar o espaço do próximo.

Precisamos rever nosso comportamento digital para que nossa vida fora da tela seja mais produtiva que dentro dela. Antes de enviar uma mensagem em horário comercial para um grupo ou amigo, pense se aquele é o melhor momento e se aquela informação é realmente fundamental para ele receber. Ao enviar um WhatSapp para um colega de trabalho avalie se aquela informação não seria mais útil por e-mail, documentada e facilmente encontrada. Lembre-se que ao lado do aplicativo de mensagens está o e-mail e o trabalho é o mesmo, exceto que você aperta o botão de enviar uma única vez (se for urgente mande uma mensagem pedindo para que responda em breve). Será que não é prudente manter diálogos dentro daquelas horas amigáveis que vão de 9h às 19h? Ao adicionar um colega no Facebook, reveja se o conteúdo compartilhado deve ser compartilhado com ele e saiba que está abrindo mais um canal de comunicação que, infelizmente, pressupõem não ter impedimento de horário nem privacidade.

Há 4 anos trabalho como autônoma e faço home office. No início, eu ficava até muito tarde trabalhando. Mandar e-mail altas horas para o cliente poderia ser inconveniente e ele não precisa saber seus horários. Foi aí que um colega me apresentou o Boomerang, uma ferramenta que permite programar e-mails, bem fácil de instalar. Às vezes eu fico até mais tarde ou acordo muito cedo, uso a ferramenta para adiantar os e-mails, desta forma eu respeito o horário comercial do outro e prezo informação por e-mail. Bloco de notas (papel ou digital) também é viável, você pode organizar a rotina do dia seguinte, as cobranças que precisa fazer.

Em tempos de comunicação digital até uma carta pode dar errado e cair na web. Todo cuidado com a comunicação deve ser tomado por questões de segurança e o horário de 8h existe por uma razão e deveria ser respeitado.

*Após publicar este texto, escutei pessoas falando que mandam porque é melhor para elas e o outro não precisa responder imediado. Isso é verdade, mas você, como colega de trabalho, não usou da empatia e cidadania digital quando decidiu isso. Tomou uma decisão que pode impactar negativamente o outro, apenas porque é melhor para você. O processo criativo ocorre em momentos de desconexão, dessa forma estamos fazendo com que as pessoas tenham uma vida profissional de segunda a segunda e isso também deveria ser uma escolha, assim como é para o workaholic não desconectar. Pequenos ajustes na rotina diária ajudam a amenizar os impactos sobre os outros, sem impedir que você continue trabalhando no seu melhor horário.