O que a crise política nos ensinou sobre rastro digital

Texto publicado em 21/03/2016 no blog da hashtagcomunicacao.com

A crise política da última semana foi assunto de todas as mídias do país e notícia dos principais veículos de comunicação do mundo. Ainda tem muita coisa a vir à tona mas, na última semana, a internet resgatou rastros de 30, 40, 50 anos atrás. Não só por uma comparação ao Golpe de 64, mas pelas pegadas deixadas por pessoas que hoje estão envolvidas em escândalos públicos.

Mesmos os adeptos da astrologia, tarô, leitores do livro “O Segredo” não podem saber exatamente como chegarão ao êxito daquilo que se é desejado. O que você fala hoje pode sim interferir em algum processo da sua vida no futuro ou você acha que Lula imaginava, em 1988, que em 2016 ele tentaria virar ministro para ter imunidade política (e deixaria provas disso)?

Abaixo seguem 4 casos que chamaram a minha atenção na última semana:

RASTROS SÃO ETERNOS

Com o anúncio de que Lula seria o novo ministro da Casa Civil, a frase acima, dita por ele em 1988 passou a viralizar de forma negativa na rede, o ex-presidente é investigado por omissão de bens às autoridades. Um vídeo, com edições de entrevistas concedidas por ele em 1992, contendo estratégias de impeachment para derrubar Collor, também está sendo compartilhado e usado contra ele pela oposição.

Lembrem-se: tudo que você disser poderá ser usado contra você. Nós mudamos de ideia a cada conhecimento novo e quanto mais jovem somos, mais propensos a isso acontecer. Não subestime sua capacidade de impactar o mundo, não deixe registrado aquilo que você poderá se arrepender amanhã ou palavras que você não pode sustentar.

PRIVACIDADE

Não existe comunicação segura, todas estão sujeitas a fraudes. O grampo telefônico é utilizado aproximadamente desde a 1ª Guerra Mundial. Em 1918, ao descobrir que suas conversas estavam sendo interceptadas, o exercito dos Estados Unidos recrutou índios para a transmissão de informações pela sua língua nativa, para época isso poderia ser considerado criptografia. Em 2013, o Brasil pediu explicações aos EUA, por espionar a Presidente Dilma e seus assessores. Em 2016, um juiz brasileiro, grampeou o telefone do ex-Presidente e novamente a Presidente tem suas conversas investigadas e expostas ao público. Edward Snowden quem relembrou que anos depois, Dilma, não aprendeu a usar criptografia.

Não subestime o poder de uma investigação, seja ela judicial ou curiosidade alheia. Na internet é possível encontrar tutoriais de como fazer um grampo telefônico “simples e barato” e podem custar de R$ 100,00 a R$ 700,00. -

O PODER DA OPINIÃO

Uma carreira profissional saudável requer alguns cuidados, alguns atos políticos. Opinar sobre assuntos polêmicos da rede, fazer julgamento que possa ser interpretado como mensagem de ódio ou preconceito podem por em risco a credibilidade de um profissional. O juiz Itagiba Catta Preta é um dos meus prediletos. Sua notoriedade não se limitou ao ato de suspender o a posse de Lula. Talvez tenha de fato se tornado conhecido pela exposição (má exposição) nas redes, transformando-o de herói a vilão tão rápido quanto ele suspendeu a posse do novo ministro da Casa Civil. Posts contendo a opinião do juiz viralizaram nas redes sociais colocando em questão a credibilidade da sua decisão. Ainda na manhã do dia 16/03, ele deletou sua conta no Facebook, embora fosse tarde. Os prints necessários já haviam sido feitos e sua credibilidade passou a ser avaliada pela nação e pelo poder judiciário.

Tudo que compartilhamos na rede está sujeito a uma cópia. Apagar a informação é não bancar a própria opinião, uma fraqueza. Ao mesmo tempo que seu post viraliza negativamente para um público, ela viraliza positivamente para outro. É possível manter o perfil e se retratar publicamente quando pertinente.

EMOÇÃO NA PONTA DOS DEDOS

Os movimentos pró e contra governo aumentaram o coro nas últimas semanas. Nos comentários, aquelas mensagens ódio, tristeza, amor, idolatria, insegurança que estão rompendo amizades e deixando algumas redes sociais um lugar desconfortável para permanecer online. A linha do tempo das redes sociais, blogs e sites que navegamos foram tomadas por muitas mensagens emotivas e com xingamentos. Nessa de se expressar no calor da emoção, vazou na rede a informação de que o social media da Porto Seguro postou sua opinião no perfil da marca no Twitter por engano. O tweet foi apagado rapidamente, mas o print já tinha sido feito. A Porto Seguro informou que sua conta foi invadida, mudando o foco da piada para: uma Seguradora que não é segura.

Ter a conta da empresa junto do perfil pessoal exige muita responsabilidade. Um erro de publicação é tão possível de acontecer, quanto a Porto Segura ter a sua conta invadida por um hacker, ambas são um risco digital. Mas publicar informação no lugar errado não é exclusividade de profissional de mídia social. Quem nunca mandou ou recebeu uma mensagem por engano? Esse tipo de falha acontece com grupos de whatsapp, emails corporativos, até no SnapChat já existem casos. Pensar e reler antes de publicar envolve também verificar o perfil e para quem está compartilhando a informação.

O momento é incerto e muitos estão com os nervos a flor da pele, mas o amanhã existe. Pense antes de postar, analise se a informação que está compartilhando é verídica e a opinião que está expressando é realmente necessária e irá contribuir com sua rede de amigos e seguidores. Muitas mensagens viralizadas nas redes sociais são falsas, modificadas por grupos de haters para causar polêmicas. Antes de publicar uma informação verifique se a informação é verídica. Recentemente milhares de pessoas compartilharam um vídeo com Barack Obama fazendo piada sobre o Brasil. A legenda do viral foi editada com informações que não correspondem a fala do presidente.

Não estou querendo dizer para não ter opinião política para não complicar sua carreira profissional, mas para fazer uma contribuição que poderá esclarecer outras pessoas e impactar positivamente sua rede e sua imagem amanhã.

Há rumores que o Facebook cede informações ao governo e estes movimentos são monitorados. O vídeo Terms and Conditions, disponível na Netflix, traz relatos de pessoas que tiveram suas casas invadidas por policiais depois de transmitirem mensagens ódio, na sua rede privada, relacionado a um movimento social.

A cada pin, a cada like, a cada share você deixa um rastro digital. Quanto maior o seu impacto na sua rede, quanto mais popular for seu post, maior será seu alcance. E lembre-se rastros são eternos.

*As palavras em negrito possuem link para os cases citados neste texto.