O papel da ignorância na ciência e na política

Ou como parei de me preocupar e aprendi a amar a ignorância.

O que segue é um texto que o Facebook acabou de me lembrar que escrevi um ano atrás. Resolvi guardar ele aqui por que achei que ficou okzinho e acho a mensagem importante. Enjoy.

Eu me preocupo com a forma como as pessoas adquirem idéias e concordam com elas. Sabe, as vezes você lê algo e esse algo faz muito sentido. Ressoa em você. Você sente aquilo, a verdade daquilo te parece muito evidente. O texto é coerente, as idéias se encadeiam bem, a lógica interna é evidente. Você adota aquela idéia e a propaga.

Mas... esse não é um critério muito raso para permitir a uma idéia invadir a sua cabeça não?

Digo... Só fazer sentido é pouco. Marx faz muito sentido. Von Mises também. Ops, como podem a tese e a antítese fazerem sentido ao mesmo tempo? Tomás de Aquino faz super sentido, e ele argumenta sobre deus de forma tão convincente que até parece lógica aristotélica. Bertrand Russell faz muito sentido também, particularmente quando fala sobre ateísmo. Epa.

Muitas idéias diferentes são coerentes, se encadeiam bem em uma sequência de raciocínios, possuem uma lógica interna impecável e auto-evidente. Inclusive idéias contraditórias umas às outras! Ora, se duas idéias que são contraditórias uma com a outra são igualmente internamente coerentes e parecem logicamente impecáveis, isso não pode ser o único critério! Esse não deveria ser o teste último de validade de uma idéia!

Em primeiro lugar, discurso não é matemática. Na lógica matemática, se dos axiomas A e B decorre inexoravelmente pela lógica a conclusão C, então na presença de A e B, não-C NUNCA poderá ser verdade. Mas pouquissimas vezes a precisão da linguagem e do discurso é tão inexorável como a precisão da lógica matemática. Sim, algo pode parecer uma conclusão lógica inexorável e não ser. É difícil enumerar todos os casos especiais e meandros lógicos de um discurso sobre política, ou politica economica, ou história. Na lógica a afirmação "A implica B" significa que A implica B, sempre. Em qualquer circunstância, caso especial ou hipótese absurda. No discurso informal não é assim. Quando a gente diz "Ah, sempre que X acontece, Y acontece também", não queremos dizer que isso é verdade inclusive na hipótese de uma invasão alienígena, na eventualidade de um holocausto nuclear ou talvez contemplando a possibilidade de Jesus voltar amanhã as 3 da tarde. Uma argumentação verbal raramente é exaustiva como uma prova de teorema matemático.

Então você tem que examinar de novo o que você leu e te pareceu fazer sentido. Examinar muito cuidadosamente. Examinar com minúcia. Você pode estar se enganando. Essa frase do Feynman me persegue: "you must not fool yourself, and you're the easiest person to fool". Enganar-se é extremamente fácil. Afinal você gosta do que você fala, geralmente concorda consigo mesmo e está sempre pronto a defender as idéias que você mesmo julgou razoáveis no passado. Quanto mais você gosta de uma idéia, menos deve confiar nela. Mais minuciosamente você a deve avaliar.

Em seguida, o mundo das idéias humanas, especialmente o das idéias políticas, não é de um monte de pessoas criando teses no vácuo. Se o autor X escreveu algo 20 anos atrás, pode ter certeza que umas 200 pessoas criticaram e contra-argumentaram nos últimos 20 anos. É muito importante saber o que elas disseram. E umas 200 outras defenderam, refinaram e sofisticaram aquela idéia. Talvez seria bacana também saber o que elas disseram. Mas saber o que os críticos disseram é mais importante - especialmente quando é uma idéia que você gostou.

Por fim, é frequente que a política esbarre em outras disciplinas. Especialmente economia, história, relações internacionais, geografia, ciências do comportamento humano em geral, etc. E é extremamente importante, quando isso acontece, que você separe muito bem o que é papel da política e o que papel da ciência.

À política cabe discutir que mundo queremos, como ele deveria ser, como ele deveria se organizar, que efeitos gostariamos que nossas políticas públicas tivessem, como nos organizaremos para atingir esses objetivos, como coordenaremos os esforços para conseguir isso, como vamos balancear os objetivos conflitantes de diferentes setores de uma sociedade. Etc, etc. Isso NÃO é papel da ciência. À ciência cabe entender como o mundo é, como ele funciona, quais os seus mecanismos, quais as consequências de se tomar a ação A ou a ação B, nos contextos X e Y, etc. Isso NÃO é papel da política.

É muito fácil deixar uma coisa confundir a outra. Por exemplo, é comum você ouvir alguém dizer coisas do tipo "ah, a ideologia X diz que se desregulamentarmos esse mercado e abaixarmos os impostos, teremos Y e Z como resultado". Oh really? Isso não é política. Isso é ciência econômica, e quando um político fizer essa afirmação a sua resposta deve ser "É mesmo? Você pode por favor citar os modelos teóricos e as evidências empíricas dessa afirmação?". Para aceitar que alguém afirme uma coisa dessas você deve exigir rigor de evidência.

Por outro lado você pode também ouvir "Ah, os economistas X-istas já demonstraram que ter alta taxa de desemprego é pior do que ter inflação alta". Isso não é economia. Isso é política. Isso é valoração subjetiva de uma situação contra outra. Isso não é algo demonstrável. O que é papel da ciência econômica é dizer "se tivermos desemprego alto, vai acontecer X, Y e Z; já se tivermos inflação alta, vai acontecer X', Y' e Z'". Qual das situações é melhor ou não é uma avaliação política. Qual das duas coisas nós vamos escolher fazer, é uma avaliação política. E a argumentação para convencer alguém de que estar na situação A é melhor que estar na situação B é bem diferente da argumentação necessária para mostrar que se tomarmos a ação X conseguiremos atingir a situação A. A primeira é política, a segunda é ciência. A primeira envolve ética, ideologia, valorações subjetivas, a segunda envolve criar modelos teóricos, arregimentar evidências empíricas e construir um arcabouço de conhecimento que permita corroborar ou não essa afirmação.

Esse é o terceiro ponto em que você pode falhar em avaliar uma idéia que parece fazer sentido. Confundir uma afirmação que para ser aceita como válida deveria ser acompanhada de um nível rigoroso de corroboração científica, com uma afirmação cuja aceitação ou não depende muito mais de um assentimento ético ou ideológico.

É muito fácil enrustir no meio de um texto ideológico uma série de afirmações sobre economia e comportamento humano que não encontram corroboração alguma nas ciências que deveriam prover esse conhecimento. Também é muito fácil ignorar que a ciência é um corpo de conhecimento em evolução e que hoje sabemos mais sobre economia que Marx sabia no século XIX e, guess what, também mais do que von Mises sabia na década de 70.

Frequentemente a ciência progride encontrando nuances onde antes haviam afirmações generalistas. Especialmente as ciências humanas. E 30 ou 40 anos pode significar que uma afirmação geral que parecia universalmente certa hoje tem uma série de nuances e tons de cinza que eram desconhecidos.

Isso torna um pouco difícil saber se uma tese ideológica ou outra está atualizada com o mais moderno cutting edge das mais avançadas teses da economia ou etc. Eu não sou economista, porra. Como é que eu vou saber se não saiu ontem um artigo que invalida algo que li num texto político hoje?

Aí é que entra a outra citação do Feynman que me persegue intelectualmente o tempo todo. É um pouco longa:

"The scientist has a lot of experience with ignorance and doubt and uncertainty, and this experience is of very great importance, I think. When a scientist doesn’t know the answer to a problem, he is ignorant. When he has a hunch as to what the result is, he is uncertain. And when he is pretty darn sure of what the result is going to be, he is still in some doubt. We have found it of paramount importance that in order to progress we must recognize our ignorance and leave room for doubt. Scientific knowledge is a body of statements of varying degrees of certainty — some most unsure, some nearly sure, but none absolutely certain.
Now, we scientists are used to this, and we take it for granted that it is perfectly consistent to be unsure, that it is possible to live and not know. But I don’t know whether everyone realizes this is true. Our freedom to doubt was born out of a struggle against authority in the early days of science. It was a very deep and strong struggle: permit us to question — to doubt — to not be sure. I think that it is important that we do not forget this struggle and thus perhaps lose what we have gained."

Esse é o segredo: não se permitir ter certeza. Sempre há razões para incerteza e administrar a incerteza é essencial. Não significa não poder ter hipóteses de trabalho, significa apenas carregar sempre atrelada a cada hipótese um caveat, uma boa dose de ceticismo e um grão de sal do tamanho adequado. Não significa ficar paralisado nas suas decisões por não saber o que é certamente verdade e o que é certamente falso, significa apenas considerar e ter claramente em mente quais hipóteses são parte daquela decisão, e quais seus respectivos níveis de incerteza, e considerar isso ao decidir. E sempre se questionar a respeito de quão boa é aquela noção, hipótese ou idéia.

Em suma, manter sempre uma dose de auto-ceticismo e auto-crítica e ter sempre claramente quais são as hipóteses implícitas que você está fazendo ao tirar uma conclusão é o segredo para não se pegar sem querer em um bandwagon político.

O mundo é complexo e cheio de nuances. Toda resposta cheia de certeza a uma pergunta sobre o mundo deve te deixar suspeito de que talvez não seja bem assim.