Me perdi de mim esses dias. Olhei no espelho e não me encontrei mais.

A minha hora favorita do dia era quando deixava a água cair sobre meus ombros e amortecer, por alguns segundos, a dor que carregava ali.

Dessa vez, a dor não foi amortecida.

Eu me fiz ausente de mim mesma e mais presente na minha dor, que gritou, rasgou meu peito e quis explorar o mundo.

Você ouviu quando minha dor chamou por você?

Minha dor não tem nome, mas tem morada. Mora no meu peito quando me perco na mente. Mora na minha mente quando me perco no peito. Mora na minha saudade, quando me perco de mim (inteira).

Você sentiu minha dor te puxando pra perto de mim?

Minha dor me afastou pra te ter aqui.

E eu fui embora.

Me perdi e não me encontrei.

Por que você não me empurrou de volta?