Feliz aniversário.

A primeira coisa que pensei quando acordei ontem foi ‘’hoje eu não abro o facebook’’. Um aperto no peito, uma saudade esmagadora.

11 de março, seu aniversário.

Tomei fôlego pra levantar da cama e fazer o dia passar logo. Inventei mil coisas pra fazer, tantas outras existiam, mas parece que o relógio fazia questão de badalar o peso da data.

Passei a manhã toda engajada e consegui disfarçar meu desespero. Mas num descuido, ele me pegou. Uma notificação e uma lembrança de um dos textos que um dia eu te escrevi. Meu coração parou exatamente nessa hora.

Na minha cabeça, dissertei tudo que eu te diria ontem. Na minha cabeça, imaginei sua ligação com aquela voz alegre que sempre dizia ‘’adivinha que dia é hoje?!!’’. Me imaginei chorando enquanto derramava pra você todo o meu amor em palavras.

Tipo agora. Olhando pra você e chorando por não poder desejar mais uma vida inteira de felicidade. Por não te ter fisicamente pra abraçar seu corpo leve e frágil. Por não ter usado mais meu tempo pra dizer o quanto você era importante. Por não ter mais seus comentários que me traziam um pouquinho pra perto de mim.

Mas penso também no quão amada você foi. E feliz ao seu modo. Nesses 63 anos de vida, nós recordaríamos da sua juventude, e ouviria as estórias de tudo que você fez um dia. E é isso que me conforta. Você foi feliz, mãe.

E eu espero que onde quer que você esteja, continue sendo. Eu te imagino em campos verdes, grandes, com uma roupa leve e rodada, onde você gira de cabelos soltos e sorri. Sempre sorri. Em todos os meus sonhos você aparece assim, saltitante.

Que sempre nesta data eu me lembre de como você era simples, alto astral e… feliz.

Eu te amo, e desejo que você sempre me faça lembrar de como foi bonito te ter como mãe. De como foi um privilégio aprender contigo o que realmente importa nesse plano. De como eu desejo ser, quem sabe um dia, tão importante para alguém como você foi pra mim. Se eu conseguir dedicar esse amor maternal como um dia você fez, sei que o mundo será um lugar melhor, com mais compreensão e menos julgamentos.

Te amo, sou apaixonada por você e sinto sua falta.
Feliz aniversário.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.