Adeus ou não?

É aquele momento que você sente que tudo está se esvaindo e não pode fazer nada, apenas assistir ao fim. Virando pó, escorrendo entre seus dedos. Dói. Machuca. Eu desejei tantas vezes que nossos momentos durassem mesmo sabendo que a gente não tinha uma relação em si, mas o modo que você fazia me sentir era incrível. Mas eu sempre soube que eu era substituível para você, que não significava nada. Agora que tenho certeza disso, dói muito mais do que imaginei que iria doer, é uma dor insuportável. Eu queria um último momento, uma lembrança talvez mas você nunca quis tirar nem uma foto se quer comigo. Sei que o erro foi meu, por ter insistindo em entrar na sua vida e por construí o castelo muito perto do mar mas acreditei que nada iria destruir, acredite em você, acreditei que em você eu podia confiar, acreditei que mesmo com o final de tudo eu teria você como meu melhor amigo, a pessoa que mais confiei e me entreguei. Queria teu colo agora, teu abraço e você me dizendo que não estou sozinha e olha só a ironia, a causa de eu estar assim é você, a última pessoa que imaginei que me deixaria nesse estado. Mas como uma música que ouvi: “Querendo te dizer, que sem você aqui minha vida desanda. Você consegue me destruir e ao mesmo tem me distrair demais.” E sei que vou sentir uma falta imensa de você, dos nossos momentos, dos seus abraços, da sua atenção, das nossas conversas, da nossa parceria no jogo e nas maratonas de séries mas principalmente da nossa amizade. Agora tô aqui, sem rumo e sem saber o que fazer, e quem me ajudava hoje já não pode me ajudar mais. Perdi a vontade de sair da cama e de fazer qualquer coisa. Mas uma hora minhas forças irão voltar e irei me reerguer novamente, mas fechada isso é claro mas estarei de pé ao menos.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.