Cinzas

No contexto, o carnaval
 Um pretexto, a novidade
 De novo, de velho, dilacero
 Meu peito, eu dilacero, dilacero…
 
 Sem dó, hasta el pozo
 Dilacerando, morrendo, gritando
 Sangrando, rasgando
 Escorre em meu rosto

O pretexto, a novidade

A velha, a cega, a coisa
 que eu quero que morra
 Sem saber, sem sofrer
 Apenas vá para longe daqui….
 
 Pra longe do meu peito.
 
 Adeus, provocação
 Sem mais nenhuma alternativa
 Sem Guerra
 Dilaceremo-nos
 Juntas
 Ligadas pela condição
 de mulher.
 
 Expulsemo-nos da guerra.
 Vomitemos
 na cara dele. Escorra.

Agora morra.

Em paz.


Originally published at mygrowingarden.blogspot.com on Feb 13, 2013.