Limpa

Mofo — nada de novo
Medo — caveira com cabelo
Fora — vamos jogar!
Deixar pra trás, ou passar
pra frente esse lixo
que alguém vai revirar

Amanhece rua suja
O caminhão que tritura
Aqueles fios de 5 anos atrás
Aquele rosto do galã
que nem sei se existe mais…

Se é limpeza, pode ser meia
O cheiro não sai por completo
Deixei acumular demais…
Não sei como fui capaz

Agora, esqueça.
já perdi
são pedaços mortos
que à terra podem servir

Mas eu volto,
e dou de cara na porta
Meu autoboicote, que diz:
- você não mora mais aqui.

Dormindo ao relento
Rede.
Vento.

Ainda bem que trouxe
Laranjas.
Ainda são minha cor
preferida


Originally published at mygrowingarden.blogspot.com on July 24, 2015.