Como sonhar em maio?

Todas as noites eu rezo a oração do H'oponopono, dedico a mim e a situações e pessoas que estão em desacordo, isso já deve fazer quase um mês. Ontem não foi diferente, rezei e fiz as dedicações necessárias, tive uma conversa comigo mesma e com o universo, foi nesse momento em que senti que em maio eu poderia sonhar, que era merecedora de todas essas possibilidades. Porém, você vai perguntar — como continuar sonhando depois que Bechior morreu? Como continuar sonhando diante de tanta brutalidade cometida por aqueles que deveriam nos proteger? Como continuar sonhando sabendo que nós humanos não entendemos nada sobre a humanidade? Como sonhar em maio?

Eu não tenho uma resposta certa para essa pergunta, pois dentro de mim mora alguém que gostaria de paralisar o mundo e modificar para que todos pudessem viver bem, seria ótimo, né? No entanto eu não tenho esse poder, me resta sonhar e realizar esses sonhos na medida do possível, na medida do tempo. Creio que estamos vivendo um período em que o objetivo deve ser apontado e as pessoas devem ser curadas internamente, precisamos redescobrir quem somos e o que fazemos aqui, encontrar novamente com o equilíbrio e isso é dificil e leva tempo, sabe?


(…)
Meu bem, mas quando a vida nos violentar
Pediremos ao bom Deus que nos ajude
Falaremos para a vida: “Vida, pisa devagar meu coração cuidado é frágil;
Meu coração é como vidro, como um beijo de novela”
Meu bem, talvez você possa compreender a minha solidão
O meu som, e a minha fúria e essa pressa de viver
E esse jeito de deixar sempre de lado a certeza
E arriscar tudo de novo com paixão
Andar caminho errado pela simples alegria de ser

Coração Selvagem, Belchior


E sonhar em maio pra mim parece necessário, como se alimentar, tomar banho, lutar, trabalhar, se divertir, e etc. Sonhar em maio faz parte do que eu sou, na verdade eu sonho bem antes que 1990, e isso é um segredo meu que divido com você agora. Eu sonho mesmo tendo vontade de chorar por mim e por todos, até por aqueles que tenho desavenças.

Amélie Poulain diria — les temps sont durs pour les rêveurs! Aparentemente o meu ser verdadeiro não se intimida com dificuldades, por isso prefiro me apegar quando Jorge Drexler clama em sua música — Clavo mi remo en el agua/Llevo tu remo en el mío/Creo que he visto una luz al otro lado del río.