Sobre você, não tenho dúvidas

O universo pode deixar muito claro desde agora quem são as pessoas que vão ficar pra sempre.

É um grande sim, é pra sempre, quando você supera o medo de voar (e releva a dívida com o banco) e compra uma passagem para encontrá-la em outro país. E sabe ainda mais quando desce do táxi em frente ao hostel (sobre o qual não lera nadinha e fechara ainda assim porque a pessoa estaria lá — tchau, virginiana, olá, ascendente em aquário) e dá de cara com ela na calçada para realizar o sonho de correr para o abraço como Hermione e Harry!

Você sabe quando, ali, lado a lado, sente como se nunca tivessem estado separados por uma fronteira. Porque uma pessoa sobre a qual a gente tem certeza é perfeitamente presente, e, no reencontro físico, é tão natural e leve como toda a relação saudável deve ser.

Pra ir embora, você chora no táxi, na fila do check-in, no embarque, na decolagem, no trajeto e no pouso. A gente acredita, de primeira, que ter passado um tempo juntinho torna a coisa mais simples. Acha que dá um fôlego pra encarar a distância, quando na verdade, te lembra o quanto é difícil, como poder comer 10 gramas do seu doce de leite preferido, quando você quer um quilo dele. Mas vale a pena esperar mais o tempo que for pra ter o prazer de mais uma colheradinha disso!

Mas a maturidade (ah, maturidade!) faz a gente identificar que pessoas sobre as quais tem certeza não passam. Com elas, sim, você pode atrelar o sucesso do relacionamento ao tempo, porque esses não têm fim: um dia ela acaba aparecendo na sua cidade, para um pouco ou para muito tempo, e, se ela não for, você acaba indo onde ela estiver. E dale! ❤