Boemia

Noite boa, recomeços adiados. Velhas conversas, outras que não terminamos. Hoje retomamos.

O amor nos move a tantos lugares, a tantos bares e nos leva a recitar tantas frases. Mas… alguém sabe usar crases? Alguém aí maneja a vela pra navegar nos sete mares? Alguém gostaria de navegar nos meus infinitos e íntimos mares?

Cada pessoa é única e cada um é uma poesia escrita por um menestrel sensível, incrível, tirando o melhor e o que há de mais horrível em você.

Uma noite de boemia termina com a maestria de um menino no chão com seu violão e seu cão. O vendedor oferece flores que nos derramam pólen e gineceu. E assim eu posso partir em paz e esquecer de vez o que nunca foi meu.