MundoCripto: O que são Smart Contracts?

É provável que você já tenha assinado ou presenciado a assinatura de algum contrato, seja ele de que natureza for. Grandes são as chances de ter sido um processo extremamente burocrático, envolvendo diversas cláusulas de difícil entendimento e que só beneficiavam a parte contratada. Acredite, você não está sozinho nesse barco.

Em 1994, um cientista computacional chamado Nick Szabo pensou em uma solução muito a frente de seu tempo, na qual não seria necessária a presença de uma terceira parte — advogados e outros operadores — e a chamou de Contrato Inteligente (Smart Contract). A tecnologia Blockchain permitira então que essa proposta virasse realidade. Diante disso, foi criado uma plataforma especificamente para o surgimento desses contratos, a famosa Ethereum, tornando-a acessível a todos. 
Passo-a-passo, explicaremos como essa nova solução funciona. Vamos ao que interessa!

Os Smart Contracts, a partir de um código criptografado, são protocolos que verificam, implementam e executam exatamente os termos acordados pelas partes. A analogia simples usada por seu criador para exemplificar a ideia foi a comparação com uma máquina automática de venda de refrigerantes:

1) Se você insere seu dinheiro, a lata sairá para consumo;
2) Se você não insere, nada sairá;
3) Se você não insere e a lata sai, há algo de errado.

Assim como em qualquer transação na Blockchain, os termos e ativos são arquivados em um bloco do sistema e replicado diversas vezes dentro da plataforma. A partir do momento em que as cláusulas são executadas, o contrato exerce a função nele descrita. Façamos uma comparação a um investimento financiado por pessoa física (crowdfunding) que almejava alcançar 100 Ether — criptomoeda utilizada na Ethereum — em um dia.

a) Se, ao final do prazo estabelecido, forem alcançados os 100 Ether, o ativo é repassado ao criador da campanha;
b) Se o valor não for atingido, o ativo retorna aos investidores automaticamente.

As aplicações para os Smart Contracts, além da citada acima, são diversas. Desde eleições — que poderiam se utilizar da tecnologia para eliminar o risco de manipulação dos votos — a aplicativos de celular — os inovadores dApp’s (Decentralized Applications) — que não dependeriam de servidores centralizados para funcionar.

Afinal, quais são as vantagens dessa solução comparada aos contratos padrões?

A solução proposta por Szabo e aperfeiçoada por Vitalik Buterin — criador da Ethereum — oferece à todos, além de velocidade na execução dos termos, mais segurança na relação entre as partes. Isso ocorre pois os termos estarão criptografados e registrados na Blockchain, o que evitaria uma edição não autorizada nas cláusulas acordadas.

Escassas, porém em crescimento, plataformas surgem na internet para facilitar a criação dos Smart Contracts e se especializam nas diversas possibilidades que a tecnologia permite alcançar. Pioneiras como EtherParty e Confideal já se arriscam nesse novo mercado.

Há espaço para criatividade e empreendedorismo a partir da tecnologia Blockchain. Os contratos inteligentes são um exemplo de suas diversas aplicações no mercado. Caberá a nós, usuários e apoiadores, usufruir dessa tecnologia para o bem da sociedade.

Gostou do artigo? Increva-se no site da Capital21 para mais informações sobre o mundo das criptomoedas.