Guru Norte Americano da auto ajuda — uma resposta a seu “método”

Reprogramação neurolinguistica, reprogramação mental, alinhamento emocional e mental, mudança de postura diante da vida, palestras motivacionais etc.

O ser humano é muito complexo. Não é atoa q mesmo lendo bastante sobre esse assunto, e tentando praticar, não “resolve”. Porque o próprio conceito de resolver é imediatista e simplificado. Seria incrível se as coisas assim o fossem.

Nosso mental não é algo simplório. Bastando q nossa mente consciente dirija palavras de ordem pra determinar os acontecimentos. Isso não é real. Nosso inconsciente é vasto, impenetrável e somos regidos por ele. O consciente é a ponta do iceberg, o inconsciente é toda a geleira pra baixo no oceano. Isso já foi descoberto, estudado, embasado, por gênios que dedicaram suas vidas à pesquisa da mente humana e deixaram seus legados com vastíssima experimentação. Isso sim tem valor atribuído. E dessas fontes embasadas que devemos beber.

A cultura Ocidental, principalmente a norte Americana, onde nos espelhamos, é toda voltada pro imediatismo e geração de lucro. Além do equivocado conceito de meritocracia, que diz que se vc não tem, é pq não quis, não se esforçou etc. E sabemos q isso é extremamente injusto, pq as condições sociais diferem muito e cada ser humano carrega em si uma particularidade nas suas capacidades. (imagine a quantidade de impressões digitais no mundo)

Essa pasteurização q coloca todos no mesmo lugar com as mesmas condições, e molda nossos desejos sem que a gente se de conta é típica desse modelo.

Uma pessoa tem tino pra negócio. Outra pra pintura. Outra pra ser um excelente amigo e esse é seu ponto forte. Esse não tem grandes ambições, não se destaca em nada, mas algo nele é tão valioso qto qq outra aptidão. Talvez não para essa lógica de mercado. Mas isso é humano. Isso é real.

Só q essa pessoa cresce numa cultura q diz a ela q tem q vencer, tem que chegar em algum lugar, tem que ter grandes sonhos e lutar por eles senão ela será um nada. E isso fica impregnado no nosso inconsciente e somos bombardeados de mensagens e estímulos visuais a todo momento nos impondo isso. Fazendo com q tenhamos dificuldade de discernimento.

As pessoas adoecem. E são muito infelizes quando vivem acreditando nesses falsos conceitos e se frustrando. Perdem a chance de se conhecer e ter momentos mais prazerosos e verdadeiramente alinhados com suas necessidades e aptidões.

Essa ideia de plenitude, vitória, um ponto a se chegar, um sonho a se conquistar. Isso é mentira. Ilusão. Somos movidos por desejos e eles estão sempre indo e vindo. Nenhuma pessoa é plena e vitoriosa pq conquistou algo, possui algo!!!

Aceitar a condição humana, e seus conflitos, acertos, frustrações, alegrias, angústias, medos, satisfações, indecisões… isso pode trazer mais paz e satisfação. Os lapsos possíveis de felicidade profunda q podemos sentir estão relacionados ao momento presente, a aceitação da vida real, a valorização das pequenas conquistas, das coisas e dos outros, de um ponto de vista mais humanizado, mais generoso consigo próprio. E menos com algo que nos falta e vai chegar (pq quando chega não nos transforma interiormente e continuamos a ter que nos carregar, com nossos conflitos e medos mal elaborados, independente do sucesso e do dinheiro. Então a dor se potencializa pq depositamos numa realização externa essa plenitude, que é o que no fundo almejamos).

Esse vídeo (em anexo) me assusta. Tenho a impressão de assistir a um pastor fervoroso. Sempre muito entusiasmados, falando rápido, de forma contundente, exemplos de “vencedores”, detentores de verdades, pessoas que descobriram um segredo mágico para a felicidade na face da terra. “Certo ou errado? Sim ou não? Ta tudo muito perto! O gênio da lâmpada existe sim. Basta vc acreditar! Tudo muda num segundo, como milagre.”

Bem como os fiéis de igrejas, as pessoas se hipnotizam, são ativados hormônios cerebrais de satisfação, idealizam resoluções fáceis de esperança para suas dores, e vão pra casa. E aí precisam lidar com a vida real. A tal mágica não acontece e elas se frustram muito. Não serão bem sucedidas e ricas e incrivelmente poderosas por essas vias, como foi prometido. Sofrem.

Isso não quer dizer que não tenhamos desejos, sonhos e ambições, e que não devamos nos esforçar por conquistá-los. Eles nos trazem satisfação pessoal, bem estar, realização, e financeiramente (dentro do sistema que estamos inseridos) precisamos lutar até para garantirmos também nossos momentos de lazer e qualidade de vida.

Mas é preciso não perder tempo com caminhos ilusórios.

Acho q um trabalho personalizado de coach pode ajudar. Apesar de não ter experiência com isso pra dizer com certeza. Mas no achismo, creio q um mapeamento de preferencias, desejos, medos etc, com alguém que use técnicas para extrair nossas características e motivações, q mascaramos ou até boicotamos (inconscientemente), depois de um numero x de sessões, pode ajudar na descoberta do que realmente nos realiza seja profissionalmente, afetivamente, enfim, em qq âmbito. (Saber realmente o que se quer é algo muito difícil).

Porém só saber, não nos da estofo suficiente para termos ferramentas interiores para a concretização de nossas metas. (somos muito complexos, cheios de nuances).

Paralelamente é indispensável criarmos uma estrutura de autoconhecimento. E aí entra a análise terapêutica. Que é a longo prazo. Demanda dedicação, é difícil, as vezes doloroso, mas os resultados são certeiros e esses sim promovem transformações efetivas. Adquirimos recursos internos pessoais de forma ampla.

O caminhar, como um todo tem que ser prazeroso. Esse é o sentido. Não há onde se chegar.

Para um artista principalmente, negligenciar a necessidade de se nutrir de aspectos sensoriais, simbólicos, não palpáveis, imaginativos, e entrar num registro de acreditar no mercado e viver em função disso, mina qq chance de sucesso na realização pessoal.

O artista precisa nutrir e se encaixar num modo de vida estético, livre, criativo. Isso não significa desordem, loucura, ou falta de planejamento.

Mas é fundamental se encaixar, numa busca de criação autônoma, para fincar raízes sólidas e únicas. Que não estarão a mercê de sonhos emprestados, motivações exteriores, aprovações ou desaprovações dos outros, fases etc.

Como construir essa base sólida?

Antes de mais nada ter prazer em construir tijolo por tijolo. E não dar vazão a ansiedade e a ilusão de se chegar a lugar algum.

Provocar em si próprio estímulos como:

Ler coisas contundentes, que devem estar de acordo com nossos interesses, mas de valor comprovado. Escolher muito bem o que ler. É difícil ler, exige concentração, e determinação pra chegar ao fim. Mas é de resultados certeiros. Conhecimento, ferramentas, cultura, articulação, poder crítico.

Aguçar a contemplação. Treinar se deixar penetrar pelas sensações, Tornar-se um apreciador.

Assistir a multiplicidade de manifestações artísticas disponíveis, se cercar de pessoas que pensam arte, que trocam sobre o assunto, com argumentos, pesquisas e estudos.

Ser curioso e interessado pelo mundo. Pesquisar. Estar atento ao momento em que se vive. Ir atrás das fontes concretas de conhecimento e informação. Estudar todo dia.

E criar. Mas sem se restringir a uma forma apenas. Para não sermos servos da razão e ficarmos limitados, com poder de articulação da nossa vida estagnado, batendo sempre na mesma tecla.

Ser criador depende dos estímulos q nos introjetamos (citados acima) e de recursos para realizarmos. Só podemos nos desenvolver com estudo e treino. Mas a abertura de horizontes na criação é fundamental. A experimentação estética não pode ser restrita. Tudo vale seja um trabalho manual, fotografia, look do dia, um texto, uma colagem, qq coisa q rompa com a mecanicidade do dia a dia. Ser múltiplo, variado. Transformar a vida numa experimentação de sentidos.

Essa é uma verdade. A minha. Tem relação com meus aprendizados. Minha verdade até esse ponto.