Serviço

De que me serve a virtude

se não a ofereço ao mundo

embrulhada com cuidado

e suavemente enfeitada

com o laço azul da clemência?

*

Pouco me serve a doçura

se não a derramo nas coisas

que carecem de cuidado

e almejam proteção

*

E esses meus ouvidos sãos

de nada podem servir

a não ser para ofertar

o terno tempo da escuta

*

Pois que o que serve a nós

Serve à história

Aos elos de todo o universo

Aos desgovernos da alma

E ao zelo por cada instante