O público, o privado e o múltiplo comum

A praça é pública, mas de um jeito diferente da universidade, que também é.
A casa é privada, mas de um jeito diferente do boteco do Zé, que também é.
O que publiciza os espaços é a forma como são usados, como são viabilizados e como são conectados a outros espaços. 
No sentido de se prestarem ao uso comum, abrigando temporariamente iniciativas de pessoas que não são proprietárias mas que ali podem realizar atividades diversas.
No sentido de serem viabilizados por seu público, recebendo doações, reparos ou outros tipos de apoio.
No sentido de abrirem-se à rua, à praça e aos outros espaços do entorno, diminuindo a altura de seus muros, abrindo suas portas, saindo e deixando entrar.
De múltiplos hábitos também derivam outros mundos além da fronteira imaginária entre o público e o privado.

Quando não é a fechadura, mas a imaginação que está trancada, entrar ou sair não é difícil, é inconcebível.