Romantizando

Sempre me perguntei de onde veio essa minha mania insana de romantizar tudo. Eu vejo a paixão em todas as coisas, romantizo o acordar, a xícara de café, o almoço, o banho e o dormir…Romance poderia ser meu segundo nome. Se eu fosse homem, com certeza seria tudo aquilo que uma mulher, romântica, sempre sonhou, mas como sou mulher eu sou tudo aquilo que um homem muitas vezes não gosta, “melosa”. Mas eu sou assim, e romantizo tudo e romantizarei por toda a minha existência.

Minha vida sempre foi um conto de fadas, minhas histórias ganham disparada das contadas em filmes e livros de romance. Se gosto, um pouco sim, um pouco não, consigo ver um lado meigo e positivo até nas mais severas frustrações, consigo escutar uma música e pensar na vida, consigo sentir o cheiro de cenas de dez anos atrás. Consigo ver a chuva como algo romântico, mesmo que seja em um dia que ficaria melhor sem ela, vejo a beleza em tudo, e isso é ótimo, sim é. Mas sinto que romantizar tudo nem sempre é a melhor saída para encarar as coisas que não são tão românticas assim.

Pessoas românticas tendem a sofrer mais, a se frustrar mais, pois tudo para nós é um sonho, vivemos em um mundo muitas vezes aleatório e irreal. Dá para dizermos que nosso mundo é um conto de fadas, nem sempre com finais feliz. Nada e nem ninguém passa por nossas vidas sem ter representado algo, não por as pessoas serem “demais”, mas por nós amar demais.

Mas mesmo com os altos e baixos de ser uma pessoa intensa, se não fosse nossos sonhos, nossas imaginações e nossos corações coloridos não haveria graça, pois não seriamos nós. Aquele que ama, ame. Aquele que sonha, sonhe. Aquele que é romântico, romantize.

Like what you read? Give Carla Fogaça a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.