Sobre o tempo….

Esses dias eu estava começando a empacotar minha mudança e encontrei uma caixa, com cartas de quando eu estava na 6ª série…. Parei com tudo e comecei a ler algumas… Lá tinha de tudo, foi tipo um flashback juvenil cheio de declarações, desabafos, choros, e dramas, mas uma série de cartas em especial me chamou atenção… foram as cartas de desculpas trocadas entre eu e uma colega de sala da época, nelas continham perguntas, respostas, discussões sendo que se eu me lembro bem sentávamos uma do lado da outra… How cute… Me recordei que na época eu ficava mal quando esses mal entendidos adolescentes aconteciam, queria mudar de colégio, não saía nos intervalos, chorava dias (sim gente, eu sempre fui meio drama queen radical), e vendo tudo isso me peguei rindo muito…. Rir de quão incrível é a ação do tempo nas pessoas, rir de como certas características são eternas e principalmente, rir de como eu já “fracassava” nas minhas tentativas frustradas de tentar me explicar sempre das maneiras erradas, no caso cartas, ICQ, Messenger, e-mails ou afins…..

É realmente muito engraçado quando reconhecemos nossos fracassos, aquelas falhas chatas que fazem com que a gente não consiga seguir com alguma coisa e fique com aquela maldita pulga atrás da orelha, e geralmente isso acontece sempre depois de um tempo que acontece…. Independente de quão tristes estejamos no momento e de quão difícil seja, perceber exatamente o que deu errado nos dá uma perspectiva diferente da coisa toda, nos dá um misto de alegria por reconhecer e de tristeza por já ter acontecido e não podermos voltar no tempo…. Não estou dizendo que a gente tem que rir toda vez que erra, toda vez que perde algo, toda vez que fracassa…. Até porque ainda não atingi essa evolução espiritual toda pra achar natural fazer isso, falo mesmo é do ponto importante: reconhecer!

Quando a gente reconhece a falha, ela deixa de ser um inimigo invisível, ela deixa de ser um incomodo…. Ela passa a ser aquele monstro que a gente precisa enfrentar tipo o chefão da última fase do Super Mario World…. É nele que nós mergulhamos para entender o caminho, os movimentos, as pessoas envolvidas, a nossa parte da culpa, e enxergar o fracasso dessa forma bem humorada, nos livra de uma postura autodestruidora e nos dá a chance de não cometê-lo mais…. Não olhar pro momento em que tudo deu errado nos faria escrever novas cartas, repetir a mesma estratégia achando que tudo iria dar certo dessa vez e chamar a mãe logo em seguida pra tirar essa agonia eterna…. Quem nunca rs????????????

Essa postura de focar no lado bom da vida, o lado bom do erro, nos dá uma perspectiva de construção moral muito motivadora…. Utilizamos os fracassos como escadas para a evolução, e não mais como obstáculos para nos paralisar…. Ele existiu, doeu, mas bola pra frente…. Agora é hora de entender por que, fazer o caminho de outra forma e pisar nele, superar o fracasso, rir do que aconteceu lá atrás…. O Ronaldo Fenômeno, por exemplo, só ficou “profissa” no futebol depois de visualizar e sentir na pele (no caso no joelho rs) todos os movimentos errados que já fez….. Imaginem os tombos que ele continuou tomando, imaginem os ferimentos físicos graves que já aconteceram…. Geralmente, todo campeão tem uma boa história de uma série de coisas que não deram certo até a vitória e auge….

Somos todos atletas com estruturas que às vezes quebram, às vezes enganam a gente, às vezes acertam de primeira…. Nunca saberemos até a hora do jogo…. Mas, como em toda prática esportiva, é a pratica que leva à perfeição…. E enquanto não chegamos lá, espero que a gente consiga rir de si mesmo lendo uma carta de confusões adolescentes ou na rotina da vida adulta….

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.