Entropia

Agora que os astros retornaram pra sua rota normal, me sinto mais segura para falar da gente. Para de acreditar nessa bobagem, Laura.

É provável que você interprete tudo errado, mas não me cabe mais a intenção de esclarecer as coisas, gastei todo meu vocabulário naquelas conversas exaustivas que eu tentava fazer você enxergar que não havia outro alguém além de você, outro amor maior que o meu. Sai agora na porta da sua casa! Isso vai acabar hoje, Laura! Se não for hoje, não vai ser nunca mais! Onde estão suas amigas, meu bem? Elas não me procuraram mais pra salvar a sua pele. Será que elas sabem da verdade? Das palavras duras que ouvi? O seu amor é um lixo, Laura; Do gosto de agressão que nossos beijos tinham? Esse filho não é meu; Do meu corpo seco, mal regado de carinho? Eu não quero saber de porra nenhuma. O que você faz ou deixa de fazer não me interessa. Tudo bem, está perdoado.

Você queria uma mulher espetacular para exibir. Para chamar de sua. Para fazer suar. E a cada desentendimento eu ganhava uma caixa de adornos, de elogios, de palavras amáveis e olhares arrependidos; Você é a mulher mais incrível que eu já conheci, Laura. Você é linda por dentro e por fora. Eu me sinto um homem honrado. Pena que colares se partem, meu bem. Alianças arranham. Eu só queria ser envolvida nos seus braços, não havia preço a ser pago.

Você me encontrou de coração partido. Mas os seus olhos claros me pareciam o começar de um dia novo. Laura, eu fiz tudo por você, eu mudei, eu não era assim, e o que você tem feito? Nada! Absolutamente nada, Laura! Eu também acho que fiz pouco. Eu apenas perdoei. Te saciei. Te alavanquei. Te transformei. Te compreendi. Te ouvi. Eu te amei. Eu me despi. Muita coisa para você, pouca coisa para mim.

E esse capítulo segue desordenado, como a relação de entropia dos nossos corpos. Eu te desejo sorte no jogo, meu bem. É o que resta. No amor eu e você perdemos muita coisa. Eu a paz. E você a mim. Com a mesma boca que me beijava agora você se despede, com passos largos e sem olhar para trás. Pobre garoto-homem… você pode escolher qualquer direção, mas foi a partir daqui, do meu amor, que você.. bom, você sabe. Eu sou seu ponto zero.