nada é

Tudo flutua, nada esta fixo.

Até o concreto, pesado, massivo 
Até os ossos, graves, distintos
Pairam, flutuam, 
sem rumo, 
sem obrigação, 
sem nenhum sentido.

Releio as lembranças 
do lado do avesso
Assim não foi, 
devia ter sido
Se preciso for
Viro meu mundo 
de ponta cabeça,
Dependurada e só
Pra que eu caiba

Você não é nada, 
É uma casca 
de nós 
furada.

Tudo flutua, você não é nada, 
nada está fixo, você não é nada.

mesmo assim mesmo
corro aflita
pra frente e pra traz 
com olhos pra cima

Forjando um plano 
[ ineficaz ]
de ter uma chance
de ter uma chance 
de ter uma chance
de acertar
com um tiro só
caótico, 
certeiro
mergulhado no meio
bem fundo
do teu peito
e aí então
Tudo flutua, perde o sentido
tudo flutua, fora do mundo
Zero gravidade, 
Se desintegra a atmosfera,
tudo flutua, 
Nada é fixo.

Like what you read? Give carla vieira a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.