Carta sobre Insensatez

Passei minha infância usando o perfume que minha mãe usava. Insensatez era o nome. É engraçado como somos sensoriais. Um simples perfume pode trazer à tona sentimentos, amores esquecidos e lembranças que você quase não visita.

Pessoas próximas sentiam meu cheiro nas ruas e falavam que tinha alguém com o mesmo perfume que eu. Elas lembravam de mim nas esquinas da vida.

Usei por tanto tempo… E usava muito. Um dia fui a uma loja da O Boticário e descobri que foi descontinuado. Que tristeza, era como se eu tivesse perdido uma parte do que fui, e desculpa o trocadilho, perdi a minha essência! De repente, tive que procurar outro que fosse similar ao Insensatez, tive que me acostumar a viver sem aquilo que me fazia tão bem. Assim como temos que fazer com os amores, as amizades… Fiquei à mercê, mas achei um substituto do meu grande amor. Eu o amava, mas nunca esqueci do outro…

Banho após banho, saída após saída, eu já nem lembrava mais… Até que em uma quinta-feira recebi um e-mail do O Boticário: “Carla, o Insensatez voltou e é por tempo limitado”.

Quando li aquele e-mail meu coração acelerou, uma alegria tomou conta de mim e corri para comprar dois perfumes e quero comprar mais 50 milhões de frascos para nunca mais viver sem ele.

Sempre digo que tudo que eu amo muito vem em uma embalagem escrito “tempo limitado”. De novo, a vida é assim… Por tempo limitado.

Foram quatro dias recebendo e-mails de confirmação de pagamento; pedido enviado à transportadora; pedido a caminho, até que hoje, às 17h, recebo uma caixa rosa escrito: “Sua beleza chegou”.

Não, O Boticário! Não foi minha beleza que chegou. O que chegou foram os amores que eu tive, as amizades que ficaram, os lugares que eu passei, a vida que eu tive há tantos anos e a sua essência que me acompanhou.

Ao girar a tampa, aquele cheiro invadiu minhas lembranças e lá estavam elas… Todas as minhas histórias. Era como se eu estivesse voltando para casa. Então, percebi que sim, voltei para minha essência.

Obrigada, O Boticário.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.