O orgulho de palestrar

Lá se vão uns quatro anos desde que minha chefe, Dani Pereira, me chamou para ir junto com ela numa palestra. Pra minha surpresa, não era como ouvinte, mas lá na frente, ao lado dela. Primeiro foi o impacto recheado de orgulho por simplesmente ser escolhido, depois veio um leve pânico recheado de insegurança “chefe, você tem certeza disso? Será que dou conta?”… Ela virou com a maior tranquilidade do mundo, que lhe é peculiar, e me disse: “vai dar tudo certo, vamos falar sobre o nosso trabalho e eu confio em você”. Pronto, era a senha que eu precisava.

Eu já tinha ajudado a Dani a montar a nossa apresentação, sabia de cor e salteado o conteúdo de todos os slides, já tinha repassado todo o conteúdo e parecia tudo perfeito. Ledo engano.

Pirei na hora que vi o palco e aquele monte de gente esperando a gente começar a falar. Mas desistir de algo nunca foi uma opção na minha vida. Já tinha assistido à muitas palestras, achava lindo quem dominava um palco, mas na sua hora é complicado. Mas vamos lá. Eu bebia água, ficava inquieto, tremi um pouco, mas a Dani estava ali do meu lado, não podia vacilar na frente da chefe, que tipo de mané seria eu? O pior foi segurar o microfone… a mão suava literalmente.

Segundos antes da apresentação eu respirei fundo, foquei em três pessoas da plateia e mais a Dani, coloquei na minha cabeça que só falava para esses quatro e ignorei os outros. Passamos slide por slide, rimos, contamos histórias do nosso dia a dia e todos adoraram. No final fomos aplaudidos e a Dani me olhou com um olhar tão doce como que dizia: “não te falei que ia dar certo? Arrebentamos!” Eu adorei aquele momento, aquela experiência, viciei…

Depois fiz um curso dentro da empresa para desenvolver técnicas de apresentação e não parei mais. Já falei em Manaus, Santarém, Fortaleza, Goiânia, Brasília, São Paulo, Bauru, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Mangaratiba e Porto Alegre. Conheci tantas as pessoas incríveis nestes lugares, amigos que terei pra vida toda, contatos profissionais etc.. Já fiz a palestra para a minha família, para alguns amigos de infância e para os amigos do trabalho. Sempre é desafiador, mas também dá um orgulho danado falar sobre o meu trabalho, as ações que fazemos, apresentar minha equipe e mostrar um outro lado da Globo que o público não conhece. É incrível! Palestrar é também uma arte de contar histórias.

Teve um caso de uma palestra que fiz com a Fernanda Burzaca, uma pessoa MUITO ESPECIAL pra mim. Fomos selecionados para fazermos uma apresentação em dupla, num evento mega bacana da empresa. Nós ensaiamos, combinamos em qual slide cada um falaria, ensaimos até algumas piadas, mas ela estava muito nervosa… antes de ir lá pra frente eu falei no ouvido dela que desistir não era opção e que estava ao lado dela pra tudo. Ficamos a palestra inteira de mãos dadas, com carinho e firmeza. Eu já tinha vivido aquilo e era meu papel ajudar. Ao final, fomos aplaudidos de pé e todos os nossos principais chefes a parabenizaram pela palestra. Foi lindo. Enfim…

Outro caso incrível ocorreu em Santarém. Eu e a Dani terminamos a palestra e abrimos para as perguntas, aí um jovem pediu o microfone e soltou essa: "eu não quero fazer nenhuma pergunta não, só quero agradecer por vocês estarem aqui na nossa cidade e dividindo esse conhecimento com a gente". Nem preciso falar que quase choramos, né?

Até o final desse ano tenho mais três eventos legais para palestrar:

http://socialmediaweek.org/saopaulo/events/conversas-sociais-interatividade-e-afeto-a-rede-globo-nas-redes-sociais/

Youpix — acho que será no dia 24 de setembro

E…

ABL (Academia Brasileira de Letras) — 24 de novembro. Essa será demais. Fui convidado pelo ZUENIR VENTURA para palestrar. Eu demorei a acreditar, juro.

É isso… espero te encontrar nas próximas.