“LIDANDO COM AS PERDAS”

Perder significa ficar sem posse, sem a propriedade, sem o domínio, ficar vencido. As perdas podem representar a mudança da identidade, do seu jeito de ser e se relacionar com a vida.

Existem vários tipos de perda. A partir do momento que nascemos já começamos a perder: perdemos o contato quase direto com a nossa mãe, perdemos os dentes, perdemos os cabelos, perdemos a facilidade de chorar e a comida chegar, perdemos o mundo infantil, perdemos o gosto poderoso da adolescência, perdemos a ingenuidade, perdemos o gostinho do primeiro beijo, perdemos os trabalhos em grupo da escola, perdemos o sono, perdemos um parente, perdemos uma grande paixão, perdemos a flexibilidade do corpo, perdemos, perdemos, perdemos…

Esse caminho de perdas a vida traz como sinal de que as coisas não param nunca e sim continuam, que precisam ser substituídas ou que acabam. Essas perdas são perdas naturais da vida.

Como lidar com essa ferida da perda?

Constatando que estamos feridos, podemos procurar socorro ou não. Se procurarmos, podemos fazê-lo num hospital bem equipado, com um médico competente. Desse modo a ferida será convenientemente tratada e uma eficaz medicação contra a dor será imediatamente dada, trazendo alívio para a nossa dor. Por outro lado, se tentamos tratá-la sozinhos, certamente o curativo não será tão bem feito, a medicação poderá não ser eficaz e ainda corremos riscos de complicações. O mesmo ocorrerá se procurarmos ajuda em lugares inadequados e com pessoas erradas. Nesses dois casos, o sofrimento será maior e o resultado final poderá ser desastroso.

O mesmo acontece diante de uma grande perda. Se procurarmos ajuda adequada, com pessoas bem indicadas, a dor existirá, porém lentamente irá diminuindo diante da ajuda e da assistência que nos serão dadas.

Agora, procurando ajuda em lugares fantasiosos, e pessoas com ofertas de soluções mágicas, assim como recusando qualquer apoio, certamente nosso sofrimento correrá novamente para o caminho habitual… Aí sim, a dor da perda irá nos machucar bastante e correremos o risco de criar mais obstáculos para quebrar o egocentrismo e pedir ajuda.

Quando a ferida for bem tratada, ainda assim não poderemos nos descuidar dela. Muitos cuidados deverão ser tomados na região machucada, tais como curativos, imobilização e medicamentos, que irão ajudar na cicatrização e em alguns dias, tudo estará fechado.

Diante da perda nos sentimos indignados, inúteis e a insatisfação toma conta da nossa mente, gerando sofrimento e falta de sentido em relação à vida. Sentimo-nos impotentes, paralisados como se nosso cérebro e músculos estivessem adormecidos.

Mas também podemos durante o caminho começar a enxergar e valorizar aquilo que parece simples, mas que existe desde o início da nossa vida. Devemos começar a nos enxergar sim, como seres humanos que falham, mas que tem seus valores. Temos que ver quanta coisa de positivo existe em nós e ao nosso redor.

Muitas vezes a Perda fez com que enxergássemos o mundo sempre de uma maneira negativa e isso tem que mudar já! Comecem a valorizar os ganhos pelo simples fato de estarem aqui e que apesar da destruição e degradação existem vários valores a serem reconhecidos, alguns deles se perderam na infância, mas hoje se tornaram outros e ainda melhores:

• Os dentes agora são permanentes independentes do estado;
• Não conseguimos mais comida chorando, mas hoje podemos escolher a nossa própria comida comprar ou fazer;
• Ganhamos filhos, irmãos, amigos;
• Não temos mais o gostinho do primeiro beijo, mas aprendemos o prazer de saber beijar e como conquistar através dele;
• Reconquistamos a humildade que nos faz realmente crescer;
• Ganhamos honestidade que realmente nos faz enxergar os outros e a vida;
• Aprendemos a ouvir, falar e realmente chorar e sorrir;
• Paramos de tentar exercer o cargo de Deus e nos tornamos seres humanos, deixando de carregar o mundo e aprendendo a viver um dia de cada vez;
• ………………………… (a partir daqui você começa a escrever).

Tenho esperança que este texto tenha alguma utilidade para alguém, no entanto o que ajudará mais do que qualquer outra coisa, serão as ações praticadas no seu caminho.

Seja tão honesto quanto puder quando olhar para si mesmo. E ao fazer isso, saiba que não está sozinho por isso é capaz!

Não recue em nenhum momento. Precisamos das pessoas, porque existem muitas outras que também dependem e precisam de nós!

Carlos Alberto Ferreira
Psicoterapeuta Holístico