a ironia da liberdade waldorf

Aos menos esclarecidos sobre oque é a escola waldorf:

Consiste no método de ensino do futuro, onde as crianças aprendem a moldar o seu ser muito mais que o seu intelecto, de forma a se criar adultos independente em seu pensar, pois a eles não é ensinado formulas ou lhes é dado apostila, mas sim, lhes é estimulado a compreensão do fenômeno e a tresfiguraçao deste em lei, para poder dai se sintetizar uma formula, de física ou matemática. Assim o processo direcionado permite o aluno a ter as mesmas conclusões que os pais da ciência moderna tiveram. A importância do processo se intensifica no fato de todo aluno ter que anotar as aulas num belo e colorido caderno de época, construído na duração de um mês, onde determinada matéria é ensinada. Ao contrario das escola convencionais onde se tem aulas de 5 matérias distintas e sem nexo no mesmo dia.

Apesar de um dos lemas da escola ser a frase do fundador de sua filosofia, Rudolf Stainer “ Educar para a liberdade” a liberdade é perseguida por uma dogmatismo criado a partir da mal interpretação de ideias usados de forma descontextualizadas, como acontece a todo dogmatismo religioso, Isto se da pela profundidade de tais pensamentos que se referem a um ser humano trabalhado e não a alunos que sequer tem seu eu encarnado.

O fato da aplicação, de um contexto direcionado a um ser formado se intensifica durante o ensino medio, se da pelo fato dos professores antroposoficos nao terem uma base de seu grande mestre iniciado, e nao estarem formados o suficiente para intuir ou ja ter digerido a capacidade de criar um metodo eficiente de direcionamento ao ultimo estagio da formaçao escolar, o que mostra que tentar trilhar um caminho que ainda nao se esta pronto é algo confuso.

Em meu caminho pessoal a liberdade imaginativa e de atos sempre me foi permitida, o que me manteve por muito tempo no feliz mundo infantil do achismo de poder fazer o que bem entender, o que provavelmente se deu graças as vivencias waldorfs, que alem de me fazerem ver o mundo mais belo me guiaram a liberdade de expressao pessoal, e em nome desta liberdade eu fumo,a por muitos amada, flor com muitos tricomas laranjas e cristais de THC.

MAS, a liberdade tao exaltada por professores, foi me retirada por quem deveria proporciona-la, graças a uma obsessão pessoal de minha tutora somado a um trecho de uma palestra de Stainer onde ele discorre sobre o fato das drogas fazerem teu eu descolar de teu corpo físico, o que proporciona um maior contato com os mundo superiores, mas que este meio de contato deveria ser abolido pois estamos na era da consciência, onde tudo deve ser feito com o eu presente, logo abster seu corpo de seu eu é um erro.

Porem o fato da abstenção da liberdade gerado por um erro é algo comum neste mundo arimanico, uma influencia tao poderosa que mesmo meus professores que buscaram tanto o equilíbrio do fonema “g’’ da euritmia ainda não são capaz de trabalhar, e preferem empurra-lo para fora do seu alcance, pois é mais simples do que mante-lo dentro de seu espaço e converte-lo em uma influencia positiva para o meio.

apesar da brusca perda de liberdade espacial, não posso deixar de agradecer ao fato de apesar de meus executores não estarem no nível de transformar uma ma influencia em boa, estes estão no caminho, pois não a cortam brutalmente, mas sim permitiram um fechamento deste tao luciférico mundo de um irreal conto de fadas de forma mais suntuosa que Cinderela, pois o finalizei andando pelo palco, salas e armários do grande antro artístico chamado goetheanum na suíça.

do fato me pergunto se devo concluir que :

o erro não leva a privassao total do que se erra, só até com quem você errou quer tirar de você.

ou que quem te da a liberdade só nao te da liberdade de errar e continuar errado ao ponto de vista dela, mesmo você estando certo na tua liberdade.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.