A diferença entre ser chato e ter uma personalidade forte

Ninguém está livre de confusões corriqueiras. Eu, que trabalho escrevendo todos os dias, ainda me confundo com o danado do “por que” separado, junto, com acento e sem acento. Esse meu tendão de Aquiles se esconde na gramática. Mas, bem longe dos livros está uma confusão que assombra a sociedade contemporânea: a diferença entre ser chato e ter uma personalidade forte.

O chato não é muito fã da empatia, raramente se coloca no lugar do outro, seja essa pessoa quem for. O hobby principal do chatonildo é escolher alvos para implicar, criticar, gritar, corrigir em público e praticar outras pequenas maldades. O chato não tem senso, aponta o zodíaco como principal culpado do seu comportamento, pula e passa direto pela catraca da vida real.

Já a pessoa com “personalidade forte” é conhecida pela autenticidade. É sempre verdadeira com seus os sentimentos, ações e reações, mesmo que essas não sejam as mais esperadas naquele momento. Consegue dizer não. Consegue dizer sim. Erra e acerta. Acerta e erra de novo. Chora se for preciso. E é preciso ser forte para admitir fraquezas.

No final, tudo se resume em ganhos:

O chato ganha nossa antipatia. Enquanto quem tem a personalidade forte leva de mão beijada a nossa admiração.