Projetando um 2019 para chamar de seu

Mais um ciclo terminando. Um ciclo único, no qual você passou por experiências inéditas, teve novos aprendizados, viu e viveu belezas e desafios. Um ciclo que não volta, mas que segue conosco.

Há 4 finais de anos eu e Gui investimos energia em colher aprendizados do ano que passou e em intencionar e planejar o ano que se inicia. Os resultados têm sido muito potentes pra nós e para as pessoas que se põem a fazer esse processo conosco — presencial ou virtualmente. Há 3 anos eu publico o passo a passo que utilizamos e esse ano sigo com o mesmo compromisso: te apoiar a promover um novo ciclo de muita beleza e evolução pra si.

Esse é um processo simples e que demanda energia e foco. É um momento importante para sua existência, honre-o como tal ❤

Minha recomendação para você se engajar nesse passo-a-passo é que separe um bom tempo para si (entre 4 e 8 horas, talvez valha tirar dois dias pra isso), tenha um caderno e lápis em mãos, um computador se você for de documentar coisas nele, algo gostoso de beber e algo que te relembre que esse é um momento sagrado: pode ser um incenso, cristal, uma boa música, seu altar… Fazer isso junto de pessoas queridas é um bônus que recomendo muito!

É provável que você sinta que diferentes momentos desse processo vão pedir diferentes maneiras de documentá-los.

A facilitação tem 2 partes: revisitar 2018 e projetar 2019. Sugiro que você leia primeiro toda a primeira parte antes de começar a responder e só depois de responder leia toda a 2a parte, pra você ao mesmo tempo saber por onde está caminhando e seguir com presença no passo atual, sem ficar pensando na resposta que quer dar daqui a 5 perguntas.

Vamos lá?

PARTE 1: REVISITANDO 2018

O objetivo desse primeiro momento é olhar para o ano que passou e colher aprendizados para seguirmos aprimorando nossa existência nessa vida. Dedicamos um bom tempo para esse momento, pois é daqui que vão surgir muitos insights e clarezas sobre o foco do ano que está começando.

Momento 1: Tuning in, convidando a energia da retrospectiva

Vale ver fotos, escutar as músicas mais ouvidas no seu ano ou qualquer outra coisa que vá te apoiar a entrar em contato com a energia de 2018, de janeiro a dezembro.

Depois de se conectar com o ano através desse estímulo, medite por alguns minutos, se conectando ao ano, relembrando as estações, os pontos marcantes, as conquistas, celebrações, desafios e dores vividas.

Momento 2: Olhando para 2018

Com o objetivo de ir convidando gradativamente as memórias e energias do ano a se apresentarem, responda a essas perguntas, anotando num papel as respostas. (Essas perguntas foram inspiradas na proposta da Marie Forleo para a colheita de aprendizados.)

Quais foram as coisas das quais mais me orgulhei em 2018?

Que erros cometi e que aprendizados levo?

Que vozes internas, histórias, padrões estou pronta para desapegar?

Momento 3: Aprofundando-se em 2018

1. OLHAR O QUE FOI REALIZADO

a. Caso você tenha feito um planejamento de 2018: Se você fez um processo de planejamento no ano passado no qual tenha definido as áreas de sua vida que desejava cuidar, olhe para seus objetivos estabelecidos por área, objetivo por objetivo, checando o que foi atingido, o que não foi atingido e o que aconteceu que não havia sido planejado, mas que de alguma maneira se relaciona com os objetivos que você havia se comprometido.

Eu e Gui adoramos nesse momento olhar pra nossa agenda, anotar o que vivemos mês a mês e também olhamos pro nosso financeiro do ano, vendo de onde veio e para onde foi nosso dinheiro. Isso nos ajuda a ter informações para refletir sobre o ano.

b. Caso não tenha organizado seu planejamento do ano dessa maneira ou não tenha feito um planejamento, sugiro que você observe as seguintes áreas da sua vida:

Saúde (seu auto-cuidado, incluindo corpo, mente, espírito, emoção)

Relações (amigos, família, companheirx)

Serviço (trabalho)

Lazer (viagens, hobbies, coisas que você faz por prazer)

Caso no ano que passou tenha sido de sua escolha focar em algo específico, como estudo, finanças, seu relacionamento íntimo, seus filhos… Vale uma área só para isso.

Depois de fazer essa divisão, olhe para seus objetivos estabelecidos ou desejados em cada área, checando o que você fez ou não para cuidar de cada um deles.

2. TANGIBILIZANDO

Por aqui, achamos que números podem nos ajudar muito a tangibilizar nossos feitos. Então a gente estabeleceu porcentagens por área da vida, colocando um número que nos parecia representar o tanto de compromisso que realmente tivemos com cada uma dessas áreas, a partir do que foi vivido durante o ano. Isso nos ajudou a ter ainda mais clareza.

3. VALORES DO ANO

No planejamento que sugeri no ano passado, chegamos também a valores norteadores do ano. Aqui vale revisitar esses valores e responder, para cada um deles: como cuidei ou não cuidei desse valor?

4. APRENDIZADOS

Escreva agora brevemente os principais aprendizados que ter ou não ter cumprido com os objetivos lhe trouxe.

O que aprendi com as realizações e desafios desse ano?

Por exemplo: na área de auto-desenvolvimento, eu havia me comprometido a fazer cursos presenciais, o que não aconteceu, pois priorizei estar mais tempo no sítio onde moramos. Aprendi com isso que cursos online e leituras estão sendo mais viáveis para mim hoje.

Percebi também que cumpri com objetivos e não com metas. Ou seja, cuidei do meu corpo, mas não da forma que eu havia achado que seria. Estudei bastante, mas não os cursos que eu havia definido. Então para esse ano vou fazer metas mais amplas, pois aprendi que isso funciona melhor pra mim. (E vou te convidar a fazer o mesmo, pois percebi que isso se repete com muitas pessoas, mas vamos cuidar do passo a passo e já já chegamos lá.)

5. TROCANDO

Se você estiver fazendo esse processo com outras pessoas (AMO!!), sugiro que se reúnam em duplas e façam um exercício de escuta ativa, onde um vai responder a pergunta e o outro vai só escutar.

Sobre o que foi seu 2018? Quais as principais coisas que você leva desse ano? Quando você lembrar de 2018, quais serão as principais lembranças?

6. FINALIZANDO

Agora, depois de ter revisado seu 2018, sugiro que você responda a duas perguntas, escrevendo as respostas num papel:

1.O que foi vivido que foi bom e quero seguir investindo e evoluindo?

2.O que poderia ter sido melhor e quero passar a me comprometer mais a partir de agora?

7. CELEBRANDO e AGRADECENDO

Novamente, uma proposta de troca em duplas (ou com o papel, caso você esteja fazendo esse processo sozinho). Imagina que a pessoa na sua frente (ou o papel) é o ano de 2018.

Ao que você agradece a esse ano?

PARTE 2: CRIANDO 2019

Agora que os principais aprendizados de 2018 foram colhidos, estamos prontos para criar o novo. Uau! Que maravilhoso (e importante)! Estamos começando oficialmente a nos engajar com a criação de um novo ciclo de nossas vidas!

*** Inspira, expira e celebra! ***

Pra honrar esse processo, vamos utilizar diferentes inteligências. Começaremos pelo intuir e sentir e aos poucos vamos passando para o pensar e fazer.

1. INTUINDO OS VALORES NORTEADORES DE 2019

Tire um tempo para se conectar com a energia do ano que está chegando e com as intenções que deseja colocar. Estamos em busca de palavras que representem valores, qualidades ou necessidades que você sinta que 2019 te chama a trabalhar.

Minha intuição abre muito quando estou em conexão com a natureza verde. Então gosto de ir para um passeio na floresta, no parque, onde for e me abrir para os sinais que me chamam atenção. Te convido a fazer o mesmo.

Caminhe em silêncio por um lugar de natureza, por cerca de 20 a 30 minutos, observando o que salta a seus olhos: uma árvore, uma concha, um conjunto de plantas, uma pedrinha no chão, uma nuvem no céu. À medida em que observa, pergunte-se o que isso pode te trazer sobre os valores norteadores para o ano. A observação do que está do lado de fora é só uma ferramenta para acordar o que já está dentro de você.

Depois da caminhada, escreva seus valores em um papel e defina o significado que cada um deles tem para você. Sugiro que sejam entre 3 e 5 valores, como saúde, sustentação, contentamento, expansão, foco, ação, beleza, construção, limites, serenidade, equilíbrio, organização…

Caso não seja possível estar em contato com a natureza, você pode também desenhar livremente, com muitas cores, e depois ver que valores estavam presentes no desenho. É possível também se engajar em uma ação que te traga muita presença e pedir para as respostas aparecerem pra ti. Pode ser arrumar a casa, meditar, dançar, correr, olhar as nuvens e pedir que essa resposta venha até você.

O importante é deixar o inconsciente brotar.

Com quais qualidades você quer se comprometer? Que valores vão te guiar?

Depois de ter escrito os valores, escreva o que cada um deles significa para você nesse momento da sua vida. Assim você vai trazer mais clareza para cada um deles e ampliar seu compromisso com eles.

2. SENTINDO 2019

Vamos imaginar que 2019 está acabando… (mas já? Prometo que vai fazer sentido…) Pergunte-se:

Como quero me sentir ao finalizar esse ano? Quero estar celebrando o quê? Quero estar orgulhosa de quê? Quero olhar pro que vivi e me sentir como?

Pode dançar, escrever, desenhar ou trocar com a pessoa do seu lado sobre essa pergunta. O importante é você se conectar às sensações presentes e senti-las, deixar sua memória celular se conectar verdadeiramente com essa sensação de ter tido um ano cheio de vida e evoluções.

3. DEFININDO AS ÁREAS DE FOCO DE 2019

Sabendo quais seus valores norteadores e como deseja se sentir ao finalizar esse ciclo, pergunte-se:

De que dimensões da vida quero cuidar? Quais são as áreas que merecem minha atenção em 2019?

Essa parte é bem importante, pois essas áreas vão estruturar suas metas pro ano. Coisas como: saúde, relações, serviço, auto-cuidado, família… Já defini de maneiras bem diferentes, faça o que funcionar melhor para você.

Depois de definir as maiores áreas, estabeleça a sub-áreas, fazendo um mapa mental. Algo desse tipo (fiz no MindMeister):

É importante que funcione visualmente pra você. Caso você funcione melhor com planilhas, com Trello, com Droptask, com caderninho e canetinhas coloridas, faça isso! Adapte, de um jeito que seja bom pra que que você possa voltar a essa sistematização ao longo do ano e faça de um jeito que lhe inspire organização e compromisso.

4. CONCENTRANDO ENERGIA

Muitas vezes, ao fazermos planos para um novo ciclo, somos muito abrangentes com o objetivo genuíno de evoluirmos. Escolhemos mudar ao mesmo tempo muitas áreas de nossa vida. Como consequência, nossa energia fica espalhada e diminuímos a possibilidade de realmente masterizarmos alguma dessas áreas.

Meu convite pra você é: concentre energia! Ao focarmos energia, ganhamos a potência de manifestação. Concentramos recursos em realizar poucas coisas, e bem realizadas.

Pergunte-se: Quais serão os principais projetos do ano, o que será prioridade?

Aqui entram os grandes movimentos de vida, o começo de um novo grande projeto, um novo hábito, a mudança de cidade, o casamento, a gravidez, a liberdade financeira, a separação. Escolha de um a dois grandes projetos para focar esse ano.

Naturalmente, você vai precisar cuidar de outras áreas de sua vida para realizar esse grande projeto. Por exemplo: se vai celebrar seu casamento, possivelmente precisará cuidar de seu relacionamento afetivo, de sua saúde emocional e material (suas finanças). Se vai começar um novo projeto profissional, pode ser que precise estudar (saúde mental), de suas finanças e tempo (saúde material) e por aí vai.

5. O QUE VOU FAZER? PARTE 1- OBJETIVOS

Novamente, vamos concentrar energia no que realmente precisa ser feito. Estabelecer dezenas de objetivos para o ano é uma ótima maneira de não cumprir nenhum. Então vamos colocar objetivos no que realmente precisa de evolução.

Isso dito, te convido a olhar para cada área de sua vida (no mapa mental) e se perguntar, uma por uma: Estou satisfeito com como estou cuidando dessa área hoje?

Se sim, siga fazendo o que já faz, sem novos objetivos a não ser seguir cuidando dessa área como já cuido. Lembra? Queremos que os novos objetivos sejam certeiros!

Se não está satisfeito, esse é o momento de estabelecer novos objetivos e depois, mais pra frente, as metas.

Objetivos dão descrições concretas de onde você quer chegar, ou o que está se tentando alcançar. É estratégico e abrangente. Já as metas são tarefas específicas para alcançá-los, Por agora, vamos focar nos objetivos. Aprendi com os últimos anos que boas metas são consequências de objetivos bem estabelecidos. Os objetivos são ainda mais importantes do que as metas, que vêm a seguir, pois falam dos movimentos mais amplos de vida. O importante é que você se comprometa com os movimentos. Como você vai fazer isso (metas) é consequência.

Vamos lá: escreva seu(s) objetivo(s) em cada uma das áreas nas quais deseja elevar ou mudar o padrão atual. Lembre-se dos principais projetos do ano e estabeleça objetivos pra eles também!

Faça uma lista, escreva tudo. Lembre-se: queremos objetivos certeiros!

Exemplos de objetivos: juntar dinheiro, começar aquele novo projeto, pedir demissão, engravidar, comprar uma casa, se mudar, montar o próprio negócio, viajar para dentro ou fora do país, aprofundar os estudos…

6. O QUE VOU FAZER? PARTE 2- METAS

Agora que você já sabe seus objetivos, é hora de estabelecer as metas. Metas são mais específicas do que objetivos e incluem o tempo e os meios utilizados para conquistar determinado objetivo. São passos a serem trilhados que vão te levar ao objetivo desejado.

Por exemplo: para começar aquele novo projeto, em janeiro vou conversar com pessoas que já fizeram coisas similares, em fevereiro vou fazer aquele curso, em março vou começar a comunicar o projeto nas mídias sociais…

Queremos metas que vão te deixar animada, com tesão no que está se comprometendo a fazer. Metas que você vai se orgulhar de cumprir. Metas que vão te desafiar na medida certa, que não sejam grandes demais que te desanimem nem pequenas demais que não te façam evoluir.

Agora, inspirada na metodologia de Tony Robbins, sugiro 4 perguntas para definir suas metas e, mais importante, cumpri-las. Objetivo por objetivo, pergunte-se:

1. Por que esse objetivo é importante para mim? Quais serão os benefícios se eu atingi-lo? (escreva)

Um objetivo pode ser, por exemplo, fortalecer seu corpo físico. O benefício aqui (no meu caso), é ter mais qualidade de vida, pois tenho sentido dores na coluna com frequência.

2. Quais serão minhas perdas se não atingir esses objetivos? (escreva)

Pode ser baixa auto-estima, dívidas, desmotivação, perda de saúde, involução, menos tempo com seus filhos…

3. O que pode me impedir ou já me impediu anteriormente de cumprir esses objetivos? (escreva)

Pense quais foram as causas de você não ter conseguido. Foi falta de disciplina? Falta de orientação ou de tempo? Não soube como se organizar?

Já tentou sair da cidade para ir morar no campo mas não soube como desenhar uma forma de trabalho que lhe possibilitasse sair dos grandes centros urbanos?

Já tentou começar um novo projeto mas não soube por onde começar, ou não soube o que era prioritário? Ou não teve o conhecimento necessário?

Já tentou ter uma alimentação mais saudável mas sua geladeira estava cheia de produtos industrializados?

Tentou começar uma rotina de exercícios mas não encontrou tempo?

Listar os desafios que pode encontrar no caminho vai te ajudar a estabelecer metas mais certeiras!

4. Finalmente, o que vou fazer para cuidar desses objetivos?

Agora que você mapeou a importância de cada objetivo e os possíveis desafios do caminho, é o momento de estabelecer ações específicas. Pode ser difícil (e pouco realista) cumprir metas muuuuito específicas, do tipo “vou escrever semanalmente um texto de até 2 páginas”. Porque pouco realista? Porque pode ser que imprevistos aconteçam e isso não aconteça. Talvez seja mais realista dizer que no primeiro trimestre vai publicar 12 novos textos. E a partir daí seguir se comprometendo com sua escrita.

Comece a estabelecer as metas de um tamanho que te desafie e ao mesmo tempo seja viável para você. Se quer perder peso, pode ser irreal dizer que vai à academia por 1 hora 5 vezes por semana e que vai cortar todo tipo de glúten, leite e derivados, açúcar e fritura ao mesmo tempo. O que é viável hoje? Correr três vezes na semana e cortar o glúten por 1 mês?

Comece de um tamanho realista e vá se desafiando mais e mais à medida em que novos hábitos e conquistas se estabelecerem.

E lembre-se: boas metas precisam ser animadoras, que te tragam tesão e interesse pela vida que você está criando!

Quer começar aquele novo projeto e percebeu que precisa de mais conhecimento e apoio? Que livros vai ler? Que cursos vai fazer? Para quem vai pedir apoio? Quais os recursos necessários para efetivar esse plano? Qual o primeiro passo?

Quer fortalecer seu corpo físico? Com que tipo de prática vai começar? Quantas vezes por semana? Para isso, precisa de algum apoio, professor, academia, material? Quais os recursos necessários para efetivar esse plano? Qual o primeiro passo?

Quer se mudar? Para onde? Com quem? Quais os recursos hoje disponíveis para isso? Qual o primeiro passo?

Quer juntar dinheiro? Quanto até o fim do ano? Isso é quanto mensalmente? Quais serão as estratégias para isso?

Escreva tudo! Num papel, em alguma ferramenta de gestão de projetos com a qual você se sinta confortável ou até numa planilha.

E coloque prazos, pra aumentar seu compromisso com todas as coisas maravilhosas que você está se propondo a fazer ❤

7. REDE DE APOIO

Se você está se desafiando, é provável que vá precisar de apoio para cumprir com seus objetivos e metas, pois está se convidando a ir além do que já foi até então. (E eu torço para que isso esteja acontecendo). Então…

De que tipo de ajuda preciso? Com quem quero conversar para garantir que o planejamento aconteça?

Por exemplo: preciso de ajuda pra começar um projeto online. Preciso de ajuda para ter uma prática de yoga regular. Preciso de ajuda para organizar minha vida financeira, para fazer meu site, para projetar minha casa, para me divorciar…

Quem pode te ajudar com cada uma dessas coisas? Liste quem são essas pessoas e estabeleça uma janela de tempo para contatá-las. Esses já são alguns dos primeiros afazeres do ano.

Novamente, coloque no papel e estabeleça prazos.

7. FINALIZANDO

Uau! Quanta energia você moveu até aqui! Sugiro repassar por todos os passos agora e fazer um pente fino, vendo se há algo a incluir ou tirar. Por aqui a gente adora fazer isso coletivamente, contando os objetivos e metas e recebendo insights e dicas uns dos outros. Partilhar seus objetivos e metas com as pessoas que você ama é muito bom para que sigam se apoiando ao longo do ano.

Nesse momento de finalização, depois de escrever tudo no papel, eu gosto de usar algum tipo de gerenciador de projetos, como Trello, Asana, Basecamp ou até uma planilha, para me ajudar a organizar tudo e estabelecer prazos pra mim mesma.

Fico de olho nessa ferramenta o ano todo, então precisa ser algo que funcione, que lhe seja amigável. Se usar uma ferramenta como essa lhe parece impossível, use o que funcionar pra você cumprir com suas metas! O importante é estar tudo documentado pra você voltar pra esse planejamento ao longo do ano e checar onde você está.

Planejamento não é para ficar no papel, é pra ir para ação! Então é importante que você tenha alguma forma de acompanhamento do que se planejou a fazer. Recomendo você voltar a esse documento mensalmente, para calibrar sua força de ação e estabelecer suas metas do mês.

Agora que o novo ciclo está mais claro para você, celebre! Você tem um ano novinho pela frente, onde vai realizar muitas belezas, se comprometer com sua evolução e criar uma vida bem bem viva! Estou animada por você! (E por mim também, claro!)

Dance, cante, partilhe dessa energia de comprometimento! Não conheço nada mais valioso do que ser devoto da Vida e de sua evolução. E esse passo-a-passo certamente ampliou sua devoção e vai te apoiar no seu processo de transbordamento.

Se esse fluxo que você acabou de fazer te fez sentir mais vivo, me dá uns likes por aqui e compartilha pra que mais pessoas possam se beneficiar das alegrias de um bom planejamento.

Que em 2019 a gente possa criar realidades bonitas pra si e pra humanidade, que sigamos construindo vidas autênticas que honrem o milagre de nossa existência nesse planeta. Que possamos ser amor em movimento.