Coisas que eu gostaria que tivessem me explicado quando eu era lib e não sabia
Tamy Monteiro
7005

Boa noite. Postei isso recentemente. o que acham? qual meu equivoco diante do feminismo? Existe um faixa de mulheres que devem refletir a respeito como eu.

Sobre o feminismo:
O feminismo luta pelo direito de igualdade entre mulheres e homens em todos os setores da sociedade. Pelo direito de viver das mulheres. Pelo de direito de ser livre ou ter liberdade para fazer suas escolhas.
https://nacoesunidas.org/onu-feminicidio-brasil-quinto-maior-mundo-diretrizes-nacionais-buscam-solucao/ 
Falar de feminismo me faz pensar na liberdade.
Penso que a liberdade acontece à medida que reina a consciência. Liberdade de poder escolher e construir a vida na direção escolhida. A liberdade não é algo dado e acabado. É algo que se conquista ao longo do tempo, no trajeto de sua transformação, caminhando na direção escolhida, buscando a perfeição. A sua perfeição. E mudanças podem ocorrer de acordo com as possibilidades que somente existira de acordo com a sua consciência e assim constantemente superar-se. 
Hoje se não fosse o feminismo, o movimento feminista, as mulheres jamais poderiam pensar em liberdade. Existem muitas mulheres ainda presas que nem sabem que são presas. 
Meu pai sempre me chamou de Frida, demorei para saber o que significava, apenas sabia que era algo positivo devido a maneira de como ele me chamava.
Quando descobri quem era Frida Kahlo fiquei lisonjeada pela comparação, embora estou longe de ser comparada a ilustre Frida. Gostaria sim de ter mais do que menos semelhanças, tenho menos devido a minha desconstrução como mulher imposta pela sociedade e que aos poucos com a minha consciência e empoderamento busco a cada dia me reconstruir.
Eu tenho um gênio e personalidade que faz do meu pai me chamar de Frida, ao mesmo tempo me faltava contextualização para tal afirmativa sobre o feminismo.
Já soltei as frases: O meu lado meio feminista e eu não sou feminista.
Calma! Agora deixe me explicar e antes que se tenha um treco vou corrigir meu equívoco: Sou FEMINISTA.
Tenho Ns motivos para dizer que sou feminista e para não entrar em todos os detalhes explicando cada um deles resumirei que sou FEMINISTA por lutar pela igualdade entre mulheres e homens em todos os setores da sociedade. Somente essa frase basta para dizermos que somos feministas. Certo?
Mas por que o equívoco?
Na minha cabeça em construção, ser feminista era além de lutar contra as violências contra a mulher, seria ser eu mesma, odiar homens ou até mesmo queimar sutiãs coisa que não faço e gostaria de fazer. Adoraria andar por aí descalça e sem sutiã, mas só ando descalça.
Eu, Carol ou melhor a Mãe Descalça, cai no equívoco pois sou mãe além de ser economista, professora, do lar e feminista. Ou seja, sou mãe antes de ser eu.
O ser mãe, o deixar de viver a minha vida em função do amor ao filho, o ser mãe de menino, me colocou em dúvida. Como ser mãe e feminista ao mesmo tempo?! Como não querer usar sutiãs e usá-lo devido a imposição da sociedade? 
Esses são exemplos que pairou a dúvida a respeito, achei que para ser feminista deveria pensar exclusivamente em mim, odiar homens (misandria) e queimar sutiãs.
Hoje sei que sou FEMINISTA e que o fato de ser radical ou não, não me coloca como menos feminista ou mais feminista. Somos ou deveríamos ser todas feministas lutando pelo mesmo direito e reconstruindo nossos conceitos e valores diante da nossa consciência conquistando assim também a liberdade individual.
São de pequenos gestos, atitudes que podemos reconstruir o mundo.
Para, pensa, observa, reflita, mude e se dê o valor para ao menos ter a liberdade para fazer suas escolhas.
Para saber mais sobre os tipos de feminismo:
http://www.geledes.org.br/qual-e-o-seu-feminismo-conheca-as-principais-vertentes-do-movimento/?gclid=CNyk3vm3q9MCFUsEkQodk3AHDg#gs.SSxQAEU

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.