Extraordinário

(Escrito em 10/06/2017)

Em uma realidade paralela, ou em um passado que nunca existiu.

“Você é uma das pessoas mais extraordinárias que eu já conheci, e sempre vai ser” — quantas vezes ouvi essa frase sem realmente prestar atenção — vindas de você, Alex.

Hoje o discurso que escuto é “eu só queria que você fosse normal” — e me pergunto, o que é que os outros esperam de mim? Quando é que as pessoas vão parar de cobrar um ser humano falso e moldado em sorrisos que nunca sentiram vontade de aparecer? Quando é que “ser normal” virou algo bom? Porque eu cresci acreditando justamente no contrário. 
Ser anormal é não ter desistido dos meus sonhos?
Ser anormal é ter coragem para enfrentar situações que os outros são covardes demais para sequer tentar entender ou defender?
Ser anormal é ser livre?
Ser anormal é não se entregar para qualquer um? 
Ser anormal é ter vontade de sugar conhecimento?
Ser anormal é fugir das relações vazias que todo mundo finge adorar?

Queria entender os padrões que me levam a ser anormal. Queria que entendessem, que isso nunca vai ser ruim, nunca vai ser uma forma de xingamento — porque sabe, você me ensinou que o anormal era extraordinário, e o extraordinário é lindo.

E se você ainda estivesse por perto, teríamos essa conversa como tivemos tantas outras. O mundo é grande demais, para aceitar viver em um cubículo sendo paga para desistir dos meus sonhos — já tenho exemplos ruins demais a minha volta para entender que é exatamente isso que eu nunca vou querer para mim, e cada crise de pânico que eu tenho ao achar que estou fincando raízes nesse lugar, eu sei que de algum lugar ou em algum multiverso, você entenderia.

Mas já que você não está, eu continuo seguindo a vida da forma que sempre sonhamos: livre e leve. Vivendo uma realidade que seria a nossa se pudêssemos estar juntos, se o extraordinário dominasse o mundo.

In a reality that you can just hold my hand, and sail away.

No meio de toda essa bagunça e de tantos dedos apontados, eu só queria que você realmente pudesse estar aqui, porque eu não suporto mais ter medo de deixar alguém chegar perto de mim e eu não sei em qual verso de um poema seu, eu vou deixar de temer.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.