I said I’d never let you go, and I never did

(Escrito em 25/04/2017)

Quanto tempo uma pessoa pode demorar para superar alguém, quando essa mesma pessoa um dia prometeu “para sempre?” — E ainda me perguntam porque hoje já não consigo prometer o mesmo.

Eu costumava acreditar que sentimentos como amor deveriam ficar acima de tudo, e que ele me acompanharia até o resto da minha vida. Mas e quando esse amor te corrói? E quando isso te faz mal? Joguei nas mãos do universo a 4 anos atrás, e tudo terminou de uma forma tão diferente, tão…tão mais solitária do que eu imaginava. Você foi embora e levou consigo meu chão, e não escrevo isso nem para ser clichê, é verdade mesmo. Até hoje eu tento entender como permiti entregar tudo de mim, como pude deixar que você levasse toda a minha essência, tudo o que eu sou… ou tudo que eu era. Como? Tudo o que eu tinha era o seu amor. Em uma época que me manter de pé já era trabalhoso.

Daria tudo para conseguir finalizar essa história, te falar tudo o que ficou preso por tanto tempo. Tudo o que eu senti e sinto por você e nunca pude dizer. Todo esse amor, que por mais dolorido que seja, foi o que eu nunca tive a chance de assumir que existe. A história de nós dois que nunca saiu da minha cabeça, que nunca foi esquecida, que eu nunca deixei partir. Alguns infinitos são maiores que outros, não é mesmo? E algumas vezes, eles se cruzam. E, por alguma razão, eles também se descruzam.

Se um dia meu maior medo foi te perder, hoje é te encontrar de novo. Eu nunca fui embora, não, eu não teria coragem de fazer isso, mas você teve. Você jogou tudo fora e nunca mais olhou para trás, e mais uma vez, percebi como sou descartável. Como eu sou só mais alguém. Você mentiu.

Você já se sentiu vazio? Você já sentiu algo dentro de você faltando, com tanta força que dói? Que te dá vontade de arrancar isso para fora do peito?

Você já sentiu a minha falta?

Aliás, você já sentiu alguma coisa?

Quem é você?

“Ó Meu deus me trás de volta esse menino, porque tudo o que eu tenho é o seu amor.”

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.