Lembrança

(Escrito em 07/08/2015)

Ontem voltei a ler sobre aquela briga que você criou. É, você. Aponto o dedo porque por mais que você negue, a culpa foi sua e eu já cansei se disfarçar. Da mesma forma que antes, continuo a dar risada com o nível de imaturidade que aquela conversa tomou, o nível de falta de consideração, a rapidez que chegamos ao final. Mas além da risada, não nego que lá no fundo, meu coração aperta ao lembrar de todas as nossas histórias.

Você me disse “abri meu mundo pra você” sim, você abriu, com toda a sua intensidade, colocou tudo pra cima de mim, e eu abracei tudo na mesma sintonia, mesmo não tendo brecha para devolver na mesma moeda. Eu te amei. Neguei por 6 meses, mas hoje dia já nem me importo mais. Amei e muito, porque aguentar tudo o que aguentei do seu lado, não seria possível se não tivesse amor. Você, do seu jeito, acho que sentiu algo também. Entre a gente a conexão era forte, nós dois sabíamos que nossas vidas já tinham se cruzado antes, e toda aquela parte de timidez passou direto pela nossa relação.

Da mesma forma que começou, o termino foi estrondoso, pesado, avassalador, me derrubou por meses, em que ouvir seu nome me trazia arrepio. Você supria uma metade de mim que a muito tempo estava em meio a poeira. E eu tive que reaprender a viver sem. Tenho certeza que rancor e mágoa ainda dominam sua cabeça quando ouve meu nome, mas te digo, comigo já não é mais assim. Eu te perdoo, perdoo por tudo o que me falou, como agiu, e por todas as vezes que você faltou (e foram muitas.)

Mas, acima disso, eu também agradeço, porque você foi uma das melhores pessoas que já entrou na minha vida. Isso eu não posso negar. Você abriu meus olhos, me ergueu pra vida adulta, me ensinou coisas sobre o universo que eu nem achava possível existir. Me explicou a vida, de uma certa forma. E se hoje eu vivo em paz com tanta coisa, é graças a você. Que o nosso infinito se cruze novamente, caso contrário, tenha certeza que eu jamais te esquecerei.

Obrigada.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.