Um convite à desconstrução.

Desconstrução, uma palavra que vem aparecendo com certa frequência no meu vocabulário e nas minhas leituras. Fato que me fez refletir muito sobre o seu conceito e sua aplicação dentro da minha vida, ou melhor, no meu pensamento e por consequência nas minhas atitudes que envolvem minha convivência com o outro.

Pesquisando sobre o termo, encontrei o seguinte conceito: “Aquilo que dizemos e ouvimos só será de fato verdade, quando o vermos como algo incompleto e aceitarmos desconstruí-lo; e se não o fizermos, a evolução sócio-tecnológico-produtiva o fará por nós.” O conceito foi elaborado por um filósofo, chamado Jacques Derrida.

Com um conceito claro em mente, continuei a minha reflexão sobre aplicação no meu dia-a-dia, volto a dizer, nos meus pensamentos e atitudes que envolvem minha convivência com o outro.

Bom, eu sou do tipo de pessoa que NECESSITA ter outros pontos de vista para um mesmo assunto, não que eu seja insegura em relação aos meus valores, conceitos, pensamentos, seja lá o que estiver sendo discutido… O fato é que eu sou extremamente interessada por entender o modo como às pessoas pensam, isso porque eu tenho um enorme PRAZER quando desconstroem um pensamento meu, segundos depois eu fico: UAAAAL, Como não enxerguei isso antes?! Por onde andei?!?!?

Pois bem, minha reflexão chegou aos seguintes pontos:

“A beleza de ser um eterno aprendiz”
 Desconstruir é desconfortável! Exige sim, sair da zona de conforto, do “eu já sei”, para assumir uma postura de aluno. Dar um “tchau ego” e ouvir o que a outra pessoa tem a dizer, QUERER aprender… Caso faça sentido, ter a humildade em reconhecer que foi desconstruído. — E olha que lindo, nem doeu!

“Questionar, sair da apatia”
 Desconstruir verdades, que muitas vezes foram amparadas pelos nossos familiares, amigos, mídia e pessoas próximas a nós, quem respeitamos, envolve também a ação de questionar. 
 Questionar todos os modelos culturais pré-estabelecidos dentro da nossa sociedade. Assumir o papel de aprendiz pró-ativo, que sabe que as verdades são questionáveis, estão aí e DEVEM ser questionadas. — Com respeito, claro, por favor.

Meu convite à desconstrução é que sejamos pessoas mais abertas a sermos desconstruídas, que deixemos de lado nosso ego para sermos pessoas mais interessadas pelos pensamentos dos outros, melhor, por outros modos de ver o mundo que não o nosso. E descobrir o quão maravilhoso pode ser esse outro mundo onde a cada conversa, a cada nova descoberta a gente sinta o quão apaixonante pode ser a desconstrução que é viver! — Caso você não concorde, tudo bem, deixo aqui outro convite, o de RESPEITAR e entender o porque o outro pensa diferente de você.

“E desconstruir, para progredir!”
 Acredito que aceitando meu convite, temos um ponto inicial para uma convivência melhor! De coração, espero que você aceite.

Obrigada pela leitura :)

Like what you read? Give Caroline Almeida a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.