Queria andar de ônibus. Pra sempre.

Lá ninguém te exige nada, uma vez que você paga a passagem, fica quietinho a viagem toda.

Pode ser lotado e quente e fedorento, mas a sua única preocupação é lembrar de apertar o botão quando for seu ponto.

Quando eu tô no ônibus, consigo viajar.

Não só fisicamente, mas mentalmente.

Eu consigo escutar as conversas paralelas e esquecer das minhas próprias.

Eu me distraio. 
Andar de ônibus me deixa com sono, me faz sentir mais leve.

Eu sinto que posso ir pra onde eu quiser, esquecer de todas as preocupações e deveres.

Eu sinto que aquela meia hora no ônibus é a hora que mais terei paz no meu dia.

As vezes me bate uma vontade louca, que eu tenho até vergonha de falar.

Eu queria fugir, entrar em um ônibus que não sei pra onde vai e só sumir.

Fingir que nada mais existe.

Sem problemas familiares, sem problemas no trabalho e sem problemas na faculdade.

No ônibus so preciso lembrar de apertar o botão. Isso sempre funciona.

Já na vida, não importa quanto eu me esforce no que preciso, nada funciona.

Queria andar de ônibus. Pra sempre.

Like what you read? Give Caroline Liviz a round of applause.

From a quick cheer to a standing ovation, clap to show how much you enjoyed this story.