des-pedir

despeço tudo que pedi

ganhei

te devolvo em verso

o que no fundo

esmaguei


despeço

despido

nua arrancam minha carne

rasgo e tiro de mim

todas as entranhas

costuradas nas minhas veias

me liberto

como o inseto

que escapa da teia

me vejo perdida

em dúvida

em dívida

entre vindas e idas


sinto meu coração

abarrotado de lágrimas

mas seco

fico triste depois da hora

te ignoro, te mando embora

desnuda das minhas vaidades

te escondo a verdade

mas mantenho

firmeza

frieza

incerteza

não sei o que vai vir

mas já sei lidar

oficializar o vôo

não é saber voar

além de sonhar

eu não sei fazer mais nada