Ser mãe solteira, eu nunca me imaginei.

Eu sabia que um dia iria querer ser mãe, e quando pensava nisso eu me imaginava ao menos com um namorado. Mas, a vida não é mesmo como imaginamos, planejamos e queremos. No começo da gestação eu negava minha filha pelo fato de eu saber que o pai dela não ser exatamente quem eu queria, quem eu amava. Eu me perguntava como eu ia viver com uma criança que não foi planejada e nem desejada naquele momento. O que eu ia fazer por estar grávida de um homem por quem eu não sentia amor, afeto, carinho ou qualquer sentimento que pudesse me deixar mais tranquila. O meu coração pertencia a outro e esse outro iria se afastar de mim de uma vez por todas quando soubesse que eu estava grávida de alguém que “fiquei” por ficar. Com a cabeça a mil, sem saber com digerir isso direito eu quase matei minha filha e a mim. Com isso, quase mato minha mãe. Passado o momento de desespero e falta de amor próprio e pelo próximo no coração, vi que, por mais difícil fosse a situação, um dos grandes sonhos da minha vida estava se realizando. Colocando a cabeça no lugar e imaginando como seria minha vida daqui pra frente, fui me apegando ao serzinho que estava se formando no meu útero. Ao entrar em contato com o pai da minha filha pela primeira vez pra falar do assunto, fomos rejeitadas porque ele não quis entender que uma só transa tinha dado naquele resultado. Não, eu não queria nada com ele ou dele, só não queria que ele se tornasse aquele tipo de homem que eu abomino. Mas fui levando logo a vida de mãe solteira, mesmo sempre tendo vivido sem se importar com o que as pessoas fora de um pequeno círculo familiar se importavam, eu estava com medo do que os outros falariam. As pessoas não perguntam como você está ou como está seu bebê, perguntam pelo pai da criança como se fosse a pessoa mais importante da vida de alguém, não somente por isso, mas para ter o que falar de você por aí.

Hoje, com 24 semanas de gestação (5 meses), me sinto tão feliz com ela. Me sinto mãe. Depois de tantas perdas na vida eu ganhei algo pra me agarrar e me manter com vontade de viver pelo resto da vida. Maria Júlia é o nome dela. Nome dessa criaturinha de Deus que ainda não tenho nos braços, não sei como será seu rosto, seu cabelo, seu sorriso só sei que é tudo que eu preciso pra agora e para sempre. Vem logo, meu amor, eu não aguento mais essa ansiedade. Vem que o resto da nossa vida está para começar.

Show your support

Clapping shows how much you appreciated Carolina Monteiro’s story.