Ser mulher é motivo pra morrer, mataram mais duas

Mataram duas argentinas no Ecuador, senti a dor no meu peito e um frio na barriga. Elas morreram porque eram mulheres, ser mulher é motivo para morrer. Mais dois feminicídios acabam de entrar pra lista.

Eram viajantes assim como eu. Faço questão de deixar aqui o meu luto. Triste ver duas mulheres serem mortas por causa de desejo sexual. Foram vistas como objetos sexuais em vez de seres humanos.

É difícil de engolir essa história, o feminicídio não acontece só com viajantes. Acontece muito mais em casa, dentro das famílias. 40% dos homicídios de mulheres no mundo acontece por um parceiro íntimo, normalmente dentro de casa. Isso não é por acaso, ainda hoje somos objeto de desejo e agressões na rua, em casa e na internet. Todo lugar é lugar. As agressões chegam até em forma de cantadas e elogios. Sempre lembramos que somos objetos.

Sinto muito pela morte das duas, sinto muito por ainda hoje viver em mundo machista, no qual podemos ser vistas como objetos. Enquanto existir um assédio, enquanto for normal a misognia, enquanto culparem a vítima, todas nós estaremos vulneráveis. Não importa se na Alemanha, Ecuador ou Brasil.

Pra mim, não basta prederem os assassinos. Precisamos construir outros modelos de relacionamentos. Precisamos deixar de ser objetos.

Eu não quero ser bonita, não quero ninguém pra me proteger. Quero ser livre, quero andar pelas ruas sem medo. Quero ser vista como uma pessoa, não me interessa se me acham bonita ou feia, gorda ou magra, não vim ao mundo para enfeitar. Ninguém veio.

Eu me junto a Guadalupe que também sentiu sua morte ontem. Como protesto sigo viajando. O mundo pode até não me proteger da morte, mas ninguém me impedirá de viver. Precisamos falar sobre o femicídio.

#ViajoSola #NiUnaMenos