Foto tirada por alguém no meu aniversário de 19 anos.

Há alguns dias atrás uma colega do Ensino Médio veio me chamar. Assim, do nada mesmo. Depois de quase três anos sem se falar. Uma colega de convívio mediano, que na verdade eu gostaria de ter convivido mais. Apesar de não ter sido tão próxima de mim, ela esteve presente em momentos que até as pessoas mais próximas não puderam estar e eu agradeço ela por isso.
Ela veio me contar que virou leitora do meu blog. E isso me deixou mega feliz. Pois eu já fico muito feliz quando minhas muitas amigas virtuais leem meu blog e se identificam mas é um sentimento diferente quando é uma pessoa que convivemos fisicamente, de corpo presente.
Essa mesma pessoa me contou que a pressão de entrar logo numa faculdade também existiu. Essa imposição acontece muito, na verdade. Nem culpo muito os pais. Não gosto de culpar muito os pais pois consigo entende-los de certa maneira. Eles se preocupam com o futuro dos filhos. Mas gostaria que de certas formas, os meus pelo menos, respeitassem meu tempo. Meus desejos. Meus anseios.
Comentei com ela que eu sinto uma falta enorme dos tempos de Ensino Médio. E sinto mesmo, por mais estranho que possa parecer. Era legal levantar todas as manhãs, nem que fosse pra chegar só no segundo período, ver meus colegas, meus conhecidos e meus amigos, pois há uma importante diferença entre essas nomenclaturas, vamos dizer e por mais que eu tivesse certas dificuldades em certas matérias, pois acredito que todo mundo tem, por mais chateada que eu possa ter ficado e fiquei mesmo, pois muitas pessoas desejaram que eu ficasse por lá, mais um ano, chegaram a falar que minha passagem de ano foi infundada, injusta, que eu não deveria ter me formado (???) tudo deu certo. Eu me formei com as três pessoas que eu devia ter me formado e com cerca de trinta outros colegas que de forma ou outra participaram da minha vida.
Tem uma quarta pessoa nisso tudo e que vou dizer aqui pra todo mundo ler, pois não tenho como falar de outro jeito e nem sei se a pessoa vai ter acesso a isso, ela foi muito importante na minha vida, sinto que ainda é, mas por divergências da vida a gente acabou se afastando, por pisadas na bola de ambos lados, acho. A vida é feita de erros e acertos. Eu sinto a falta dela. E se tratando de Ensino Médio acho que vão saber de quem estou falando.
Meu Ensino Médio não durou três anos e sim quatro. Eu repeti o primeiro ano, por motivos pessoais, depressivos, complicados e acho que um pouco por destino também, ou não. Mas todo mundo diz que repetir de ano é tipo assim, muito tenso, que a pessoa sofre muito preconceito ou zoação, pra mim não teve nada disso, pelo contrário, eu realmente me encontrei foi com as pessoas que eu conheci no ano seguinte. Eu não teria me perdoado se eu tivesse passado de ano.
Indo mais a fundo: Eu sinto falta demais de pessoas que fizeram parte da minha vida no meu Ensino Fundamental. Pessoas que estão seguindo sua vida, algumas cuidando de filhos, outras terminando suas faculdades, outras engajadas no feminismo como eu, outras por motivos que nunca vou saber se perderam de mim pelo caminho… Pessoas que fizeram parte da minha vivência, da minha vida, dos melhores momentos e até dos piores momentos da minha vida. Eu digo que da pré escola até a sétima série eu estudei no melhor colégio de toda a minha vida e por motivos que nunca vou conseguir esquecer mesmo querendo esquecer, realidades que sempre vão me atormentar de certas maneiras, eu pus todas minhas amizades a perder.
E se por um acaso eu não pus, eu gostaria de saber. Eu gostaria de ter todas essas pessoas perto de mim novamente. Eu cresci muito por causa dessas pessoas.
Sempre me falam que algumas pessoas saem da sua vida pois a importância que elas dão pra você é muito inferior a importância que você dá a elas ou que algumas pessoas saem da sua vida pra ter espaço para novas pessoas maravilhosas fazerem parte da sua vida, mas eu daria tudo para estar com as pessoas maravilhosas que estão na minha vida no momento mas também gostaria que as pessoas maravilhosas que fizeram parte do meu passado estivessem comigo também.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.